Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.485,71
    +1.836,20 (+3,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Astrônomos franceses buscam voluntários para encontrar meteorito

·1 minuto de leitura
(Arquivo) Fragmento de meteorito, sem data, no Museu de História Natural de Paris

Astrônomos franceses fizeram um apelo geral aos fãs para se juntarem neste fim de semana em uma busca para encontrar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu na Terra no fim de semana passado, no sudoeste da França.

O meteorito, de um peso estimado de 150 gramas, foi captado pelas câmeras de um centro de ensino de astronomia quando caiu às 22h43 horas (18h43 no horário de Brasília) do sábado passado perto de Aiguillon, a cerca de 100 km de Bourdeaux.

O centro faz parte do projeto Vigie-Ciel (Vigilância do Céu) composto por cerca de 100 câmeras cujo objetivo é detectar e coletar dezenas de meteoritos que caem na França todo ano.

"Os meteoritos são relíquias da criação do sistema solar, com a vantagem de nunca terem sido expostos ao exterior", explica Mickael Wilmart, da associação de educação astronômica A Ciel Ouvert (Céu Aberto), que administra o observatário de Mauraux.

"Um meteorito fresco como este, que caiu há apenas alguns dias, não foi alterado pelo meio ambiente da Terra e, portanto, contém informações muito valiosas para os cientistas", acrescentou.

A busca já está em andamento, mas foram lançados pedidos de ajuda nas redes sociais e colocaram cartazes nas áreas onde é mais provável que a rocha tenha caído.

Wilmart reconhece que as chances de encontrarem são escassas. "É um pouco como procurar uma agulha em um palheiro", disse.

"Contamos que as pessoas procurem em seus jardins ou na beira de alguma estrada, poderiam tropeçar nessa pedra tão desejada".

pan-pjl/meb/jz/aa