Mercado abrirá em 9 h 25 min
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,42
    -0,03 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.719,20
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    20.003,38
    -338,85 (-1,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,08
    -8,05 (-1,74%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.828,40
    -183,75 (-1,02%)
     
  • NIKKEI

    27.149,76
    -161,54 (-0,59%)
     
  • NASDAQ

    11.543,25
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1012
    -0,0123 (-0,24%)
     

Asteroide gigante fica visível nesta semana, mas não será fácil observá-lo

Nesta quarta-feira (7), 3 Juno, um dos maiores asteroides do Cinturão Principal, ficará visível para telescópios pequenos ou binóculos. Entretanto, ele não está nem um pouco perto de representar perigo ao nosso planeta: sua órbita está entre Marte e Júpiter. Seu brilho é devido às suas propriedades altamente reflexivas.

Composta de uma mistura de níquel e ferro com silicatos de magnésio, a rocha espacial tem cerca de 234 km de diâmetro. Essa composição o torna bastante reflexivo e explica a magnitude aparente de 7.9 (quase o suficiente para ser visível a olho nu em um céu limpo e livre de poluição luminosa).

A massa de 3 Juno representa 1% da massa total do Cinturão Principal (ou seja, é muito massivo, embora esteja muito atrás de Ceres). Os astrônomos suspeitam que muitos meteoritos que caem na Terra são provenientes desse asteroide, que perde pequenos fragmentos ao sofrer colisões com asteroides menores.

Observando o asteroide 3 Juno no Brasil

Não será fácil ver o asteroide no Brasil, já que ele estará muito perto da linha do horizonte logo ao anoitecer. O melhor momento para observá-lo será às 19h00 (horário de Brasília), quando estará um pouco abaixo dos 20⁰ acima do horizonte, na direção Leste. O céu ainda não estará muito escuro, então haverá um certo desafio para encontrá-lo.

A posição do asteroide Juno às 19h00 do dia 7 de setembro (Imagem: Reprodução/Stellarium)
A posição do asteroide Juno às 19h00 do dia 7 de setembro (Imagem: Reprodução/Stellarium)

Outra desvantagem é que a Lua Crescente também estará no lado Leste do céu, com 89,36% de sua superfície visível, a 3 dias para a fase Lua Cheia. Seu brilho atrapalha a visibilidade de boa parte dos objetos mais fracos.

Outra oportunidade de observar Juno será no dia 8 de setembro, quando ele ainda estará com o mesmo brilho e um pouco mais acima do horizonte. A partir do dia 9, seu brilho diminuirá gradualmente, ao mesmo tempo que sua posição se torna mais favorável.

Procurá-lo nos próximos dias pode valer a pena: no dia 25, ele estará perto de 40⁰ acima do horizonte e sua magnitude será de 8.23 (quanto maior o número, mais fraco seu brilho). O limite dos binóculos 7x50 é na magnitude 10.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: