Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.966,86
    -7,95 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Associações brasileiras querem impedir Boeing de contratar engenheiros qualificados

SÃO PAULO (Reuters) - A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (Abimde) e a Associação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil (AIAB) anunciaram nesta terça-feira abertura de processo civil que tenta impedir a norte-americana Boeing de contratar engenheiros altamente qualificados do país.

Segundo comunicado das entidades à imprensa, a Boeing promove um processo de "captura sistemática e contratação" de engenheiros de empresas que fazem parte da base industrial de defesa do Brasil, colocando em risco a "sobrevivência" de empresas nacionais e "ameaçando a soberania nacional".

As entidades citam Embraer, Akaer, Avibras e AEL Sistemas como empresas alvo do processo de contratação de profissionais pela Boeing. As associações não informaram no comunicado o montante de profissionais contratados pela norte-americana ou em que período.

"Em décadas de existência, a base industrial de defesa nunca enfrentou uma situação como a que estamos vivendo", afirmou em comunicado à imprensa Julio Shidara, presidente da AIAB.

"Foram décadas de esforço coletivo nacional e vultosos investimentos públicos e privados. Não podemos permitir uma degradação acelerada como os fatos têm demonstrado", acrescentou.

Procurada, a Boeing não comentou o assunto de imediato.

A ação foi aberta na 3ª Vara Federal de São José dos Campos (SP), onde estão presentes fábricas de algumas empresas nacionais no setor como a Embraer.

(Por Alberto Alerigi Jr.)