Mercado abrirá em 2 h 39 min
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,70 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,59 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,38
    -0,47 (-0,89%)
     
  • OURO

    1.841,30
    -7,60 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    31.065,52
    -607,21 (-1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    624,62
    -3,04 (-0,48%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,83 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.474,18
    -93,19 (-1,42%)
     
  • HANG SENG

    28.550,77
    -746,76 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.938,25
    -167,25 (-1,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5480
    -0,0057 (-0,09%)
     

Associação de supermercados lança manifesto contra aumento do ICMS em SP

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Apas (Associação Paulista de Supermercados) lançou nesta terça-feira (12) um manifesto contra o aumento do ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) programado para o próximo dia 15 de janeiro. Para a associação, não existe razão para aumentos de impostos no atual cenário econômico decorrente da pandemia de Covid-19. "Aumentar a carga tributária para os produtos de primeira necessidade comercializados pelos supermercados, principalmente nesse momento de crise pelo qual o mundo está passando, afetará substancialmente todas as famílias paulistas, principalmente os mais humildes, pois quanto menor a renda familiar, maior a dificuldade de pôr a comida na mesa", afirmou a Apas em nota. Segundo a associação, na última quinta-feira (7) o governo do estado anunciou que voltaria atrás na decisão de aumentar o imposto. "A Apas acompanhou as declarações e aguarda atentamente que o governo edite os decretos conforme anunciado e não estabeleça normas arrecadatórias que refletirão no aumento de tributos na mesa da população, fazendo com que os menos favorecidos paguem mais caro por alimentos comuns à mesa dos cidadãos brasileiros, como o leite, derivados e os hortifrútis", afirmou a associação, em nota. A Apas afirma ainda que, atualmente, os decretos vigentes tiram a isenção de alguns produtos, criam alíquotas, alteram a base de cálculo e restringem a aplicação de benefícios, como o crédito outorgado. Segundo a Apas, com a carga tributária decretada pelo Governo será "inevitavelmente" repassada ao preço final já que atinge diferentes segmentos das cadeias de produção de forma crescente e em alguns casos cumulativamente. "O governo precisa equilibrar as suas contas por meio de reformas estruturais, diminuir a alta carga tributária para melhorar a competitividade, atrair investimentos e, consequentemente, gerar empregos", disse a Apas. Procurado, o governo do estado não respondeu até a publicação desta reportagem.