Mercado abrirá em 3 h 43 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,32
    -0,07 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.879,10
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    13.120,27
    -35,10 (-0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,44
    -13,25 (-4,86%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.591,93
    +9,13 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.606,54
    -102,26 (-0,41%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.264,00
    +131,25 (+1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7261
    -0,0083 (-0,12%)
     

Associação de minoritários vai à Justiça contra B3

·1 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Abradin, associação que representa acionistas minoritários, entrou com um ação na Justiça do Rio de Janeiro contra a B3 alegando prejuízos causados a investidores com a liquidação de corretoras de valores e pedindo indenização de cerca de 60 milhões de reais.

A ação civil pública foi protocolada no mês passado e distribuída essa semana. Além da B3, a BSM, órgão de supervisão do mercado ligado à companhia, também é alvo da ação.

Segundo a Abradin, a liquidação de algumas corretoras causou muitos danos aos investidores e ao mercado de capitais.

A ação civil cita a liquidação de corretoras como Walpires, Gradual, Alpes, Corval, Um Investimentos e outras.

"Perceberam os prejudicados a necessidade de uma ação coletiva para se ter mais eficácia na proteção aos investidores do mercado de capitais e, também, para chamar a atenção para um problema que, mesmo sendo possível de ser evitado, continua gerando prejuízos e descredibilidade a quem opta por investir na bolsa", diz um trecho do documento.

A ação destaca o papel da B3 na regulação e fiscalização do mercado de capitais e lembra que nenhuma negociação de ações ou de contratos futuros ocorre, no Brasil sem intermediação da B3.

O presidente da Abradin, Aurélio Valporto, questionou custos que considera elevados para operar na B3 e que isso só acontece por que não há concorrência no Brasil.

"É essencial que haja concorrência à B3, não somente para forçar uma redução nas tarifas abusivas, mas principalmente para conduzir a uma postura moral mais elevada, com maior responsabilidade perante os investidores", declarou Valporto.

A B3 informou que não foi notificada da ação. "B3 e BSM desconhecem a existência de ação ajuizada pela Abradin e não foram citadas ou notificadas a esse respeito", afirmou.

(Por Rodrigo Viga Gaier)