Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.935,54
    +53,55 (+0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Associação de defesa de crianças entra com processo bilionário contra empresas de jogos

SHEYLA SANTOS E PAULA SOPRANA
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF, E SÃO PAULO (FOLHAPRESS) - A Anced (Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente) entrou nesta quarta-feira (24) com sete ações civis públicas, na Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal, contra grandes empresas de jogos e vendedoras online em atividade no Brasil. A associação afirma que as empresas utilizam a prática de "loot box" (pacotes de itens, como roupas para personagens, que prometem surpresas) em jogos consumidos por crianças e adolescentes, e cobra uma indenização com valor mínimo de R$ R$ 1,5 bilhão para cada uma das 13 empresas processadas. Além da indenização bilionária, as ações propõem que as companhias paguem R$ 1.000 por danos a cada criança ou adolescente que comprovadamente tenha sido vítima da prática. As ações miram as empresas EA (Electronic Art Games, que tem entre seus títulos o jogo Fifa), Activision, Garena Brasil, Nintendo Brasil, Riot, Ubisoft, Konami, Valve Corporation e Tencent Holdings. Apple, Microsoft, Google e Sony também são alvos de ações. A Anced pede que essas companhias deixem de hospedar em suas plataformas, seja por meio de venda ou distribuição, jogos que utilizem o mecanismo de loot boxes. De acordo com a Anced, as empresas de videogames estariam vendendo e distribuindo jogos a consumidores, incluindo crianças e adolescentes, com um sistema de compra de itens virtuais que oferece recompensas aleatórias, pagas e gratuitas, como roupas de personagens ou desbloqueio de funções. O texto diz que a indústria de jogos adota estratégias de fidelização de consumidores menores de 18 anos a partir de técnicas de jogos de azar, visando à maximização de lucros e colocando em risco o desenvolvimento psíquico dos usuários. "A Anced considera essencial que as práticas de venda de loot boxes (caixas-surpresa) embutidas em jogos de videogames sejam repreendidas pelo Poder Judiciário em tutela difusa, já que correspondem a um verdadeiro jogo de azar destinado a menores. É preciso que a sociedade assegure o desenvolvimento da criança e adolescente, tendo em vista o princípio da proteção integral", diz o texto da ação. De acordo com o advogado Márlon Reis, autor da ação, países como Bélgica e Alemanha já proíbem a prática de loot boxes. "Na Holanda, uma ordem judicial impõe uma multa de EUR 500 mil por dia contra a Electronic Arts, que criou o jogo Fifa, por conta de loot boxes que existem dentro um jogo tão insuspeito". Reis afirma que as empresas que contêm esse mecanismo e atuam no país estão utilizando um recurso ilegal. "Há jogos populares, supostamente gratuitos, no qual que crianças pequenas baixam e em determinado momento aparece para elas ofertas de loot boxes para compras. A lei de contravenções penais proíbe jogos de azar. O Estatuto da Criança e do Adolescente deve ser invocado", disse. A Anced realizou nesta quarta-feira (24) uma coletiva de imprensa sobre as ações civis públicas. A conferência foi alvo de "zoombombing", um tipo de invasão não autorizada a salas de videoconferência que ficou popular com a ascensão de aplicativos como Zoom e Meets na pandemia. Durante a explicação dos porta-vozes do caso, uma pessoa invadiu a conferência e passou a reproduzir vídeos no YouTube, tocar música e proferiu palavras de baixo calão. A reunião era acessada por meio de um link sem necessidade de senha, portanto de fácil acesso. A sessão foi interrompida e reiniciada em outra sala virtual após o episódio. A reportagem entrou em contato com as empresas, mas elas não responderam até a publicação deste texto. A UBV&G (União Brasileira de Vídeo & Games) também foi contatada e ainda não enviou posicionamento.