Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,74
    +0,54 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.762,30
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    16.449,64
    +226,89 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,69
    +0,96 (+0,25%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.502,50
    -22,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4524
    -0,0968 (-1,74%)
     

Assinatura genética permite descobrir quem vai desenvolver imunidade pós-vacina

Uma equipe norte-americana de cientistas revela uma fórmula para prever como o sistema imunológico deve responder a vacinas, independente da doença que buscam imunizar. Isso é possível através da checagem de uma assinatura genética, que varia para cada indivíduo. A descoberta deve revolucionar, no futuro, a maneira como os imunizantes são usados.

A assinatura genética, que indica como o sistema imunológico vai reagir a um imunizante, pode ser encontrada a partir de um tipo específico de células sanguíneas, os plasmablastos. Estes é que vão produzir os anticorpos contra os antígenos no organismo.

A medição desse novo parâmetro deve ser feita sete dias após a vacinação. O intervalo é muito menor que as opções disponíveis hoje, onde cientistas precisam esperar semanas até entender como o organismo reagiu a um imunizante.

Entenda o estudo que prevê reação do sistema imune após vacinação

Cientistas descobrem como calcular a reação do corpo após uma vacina (Imagem: iLexx/Envato Elements)
Cientistas descobrem como calcular a reação do corpo após uma vacina (Imagem: iLexx/Envato Elements)

Para chegar a esta descoberta, os pesquisadores da Stanford University School Medicine, nos Estados Unidos, analisaram amostras de sangue de 820 pessoas entre 18 e 50 anos, que receberam uma entre 13 vacinas consideradas pelo estudo.

Vale destacar que o banco de dados usado continha a resposta imune de pacientes a diferentes tipos de vacinas. São os casos de imunizantes que usam a tecnologia do vetor viral ou que carregam em sua composição um vírus vivo ou inativado. Os resultados foram publicados na revista científica Nature Immunology.

Futuro das vacinas com a assinatura genética

“Nossa análise integrada revelou uma assinatura genética comum que prevê a força da resposta dos anticorpos à maioria das vacinas”, afirma Bali Pulendran, professor de microbiologia e imunologia da universidade, em comunicado sobre a descoberta.

Se as pesquisas continuarem e a tecnologia se popularizar, uma pessoa poderá fazer um teste poucos dias após ser imunizada e descobrir como o corpo reagiu ao imunizante. Caso a vacina não tenha desencadeado o efeito desejado, é possível pensar em outras alternativas de proteção junto à equipe médica.

“Estamos em um novo e empolgante momento neste campo de vacinologia, com a perspectiva de personalizar vacinas para o receptor com base nessas assinaturas moleculares”, sugere Pulendran. Em outras palavras, o pesquisador indica a possibilidade de desenvolver fórmulas específicas conforme as características de cada indivíduo, turbinando as proteções imunológicos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: