Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.920,61
    +356,17 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,91
    +535,11 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,68
    -0,03 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.814,80
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    56.264,52
    -729,44 (-1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.462,53
    -8,88 (-0,60%)
     
  • S&P500

    4.201,62
    +34,03 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.548,53
    +318,19 (+0,93%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.438,57
    +107,20 (+0,37%)
     
  • NASDAQ

    13.647,25
    +49,50 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3637
    -0,0029 (-0,05%)
     

Assembleia decide que JBS deve entrar com ação contra irmãos Batista

BRUNA NARCIZO
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Assembleia Geral Extraordinária de acionistas da JBS decidiu que a empresa deve processar os irmãos Batista por prejuízos causados em decorrência dos crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela empresa com a Procuradoria-Geral da República em 2017. A assembleia ocorreu nesta sexta-feira (30) e durou cerca de 20 minutos. Foi definida a abertura de uma ação de responsabilização contra a J&F Investimentos, holding dos irmãos Joesley e Wesley, que controla a JBS. Existia uma expectativa de impasse, por conta do item número oito, que permitia que a J&F votasse. O item ia contra uma arbitragem que decidiu que a holding não teria poder de voto em assembleias sobre este tema. Com os acionistas controladores sem poder de voto, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), que detém 22% da participação na JBS, aprovou sozinho o ingresso da ação de responsabilidade contra os irmãos Joesley e Wesley Batista. No caso do ingresso da ação contra os administradores, os votos favoráveis foram do BNDES e do fundo SPS, que já ingressou com uma arbitragem contra os administradores há três anos. Os outros acionistas minoritários votaram de acordo com a recomendação da empresa, ou seja, contra o ingresso das ações.