Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.291,12
    -2.004,32 (-3,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Assembleia da Petrobras começa com polêmica envolvendo boletim de voto à distância

Bruno Rosa
·2 minuto de leitura

RIO - Começou a Assembleia Geral Extraordinária para escolher os novos integrantes dos Conselhos de Administração e Fiscal da estatal. A eleição ocorre em meio a incertezas quanto ao futuro da empresa.

Francisco da costa e Silva é o presidente da Assembleia. Participaram do encontro acionistas que somam 90,6% do capital social com direito a voto da estatal. A procuradora Maria Teresa Lima é a representante da União.

O encontro virtual começou com polêmica. Em sua manifestação, Marcelo Gasparino, membro do Conselho Fiscal da estatal, destacou divergência entre o boletim de voto à distância e o resultados no mapa consolidado de votação, com diferentes versões dos boletins na versão em português e inglês.

O presidente da mesa pediu um intervalo para analisar o caso. Por isso, Gasparino pediu a suspensão da assembleia. Na prática, a depender da decisão, os minoritários correm o risco de não terem nenhum representante.

- A minha questão é em decorrência do mapa consolidado do boletim de voto à distância. Há divergências que foram levantadas entre ao voto depositado e o resultado no mapa. Por isso, minha proposta é suspender a assembleia para revisar o computo de votos em face das informações recebidas por acionsitas - disse Gasparino.

A Petrobras disse que não há divergência e negou o pedido de suspensão.

Na pauta da assembleia, os acionistas vão destituir formalmente Roberto Castello Branco, eleger oito membros via sistema de voto conjunto e depois votar para escolher o presidente do Conselho da estatal.

Entre os oito indicados está o general l Joaquim Silva e Luna. Pelas regras, ele precisa ser aprovado para a vaga de conselheiro. Após essa etapa, o Conselho da estatal vai se reunir para nomear o general como presidente da petroleira.

Foram indicados oito nomes pela União: Cynthia Santana Silveira, Ana Silvia Corso Matte, Márcio Andrade Weber , Murilo Marroquim de Souza, Sonia Julia Sulzbeck Villalobos, Eduardo Bacellar Leal Ferreira (como Presidente do Conselho), Ruy Flaks Schneider, Joaquim Silva e Luna (que foi indicado como presidente).

Entre os minoritários, eram quatro: o banqueiro Juca Abdalla, Marcelo Gasparino e Pedro Rodrigues. Leonardo Antonelli (que tenta a recondução) pediu para retirar sua candidatura.

Dos indicados, dois (Márcio Andrade Weber e Pedro Rodrigues) foram declarados inelegíveis, pelo Comitê de Pessoas.

A crise na Petrobras começou em fevereiro, quando o presidente Jair Bolsonaro demitiu Roberto Castello Branco do comando da estatal, após o executivo autorizar o aumento dos preços da gasolina e do diesel. A medida desagradou os caminhoneiros, categoria que integra base de apoiadores do presidente.

Para o lugar de Castello Branco, Bolsonaro indicou o general Joaquim Silva e Luna, que já é alvo de um processo na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).