Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.963,42
    -8,48 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Assembleia do BID elege Ilan Goldfajn para presidência

WASHINGTON/CIDADE DO MÉXICO (Reuters) -A assembleia de governadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) elegeu o brasileiro Ilan Goldfajn como presidente da instituição focada na América Latina e Caribe.

Goldfajn vai substituir Mauricio Claver-Carone, o primeiro norte-americano a comandar o banco e que foi retirado do posto em meio a um escândalo de ética mês passado.

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, parabenizou Goldfajn pela eleição e afirmou que Washington quer trabalhar com o novo presidente do BID na implementação de um conjunto de reformas.

Com sede em Washington, o BID é um dos principais investidores na América Latina e no Caribe, responsável por 23,4 bilhões de dólares em compromissos financeiros em 2021 e centenas de projetos de infraestrutura, saúde e turismo.

O BID pode ser um campo de batalha para uma disputa geopolítica sobre as principais decisões de financiamento para seus membros, enquanto a América Latina luta contra inflação alta e desaceleração econômica.

Além do Brasil, outros quatro países - Argentina, Trinidad e Tobago, México e Chile - tinham nomeado candidatos para a presidência do BID.

Os governadores do BID geralmente são ministros das Finanças ou outras autoridades econômicas de alto escalão dos 48 países-membros do banco.

O ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, que fazia parte da equipe de transição do presidente-eleito brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, tinha pedido o adiamento da eleição no BID até o próximo ano para que o indicado pelo Brasil possa refletir o novo líder eleito.

(Por Cassandra Garrison na Cidade do México e Andrea Shalal em Washington)