Mercado abrirá em 1 h 56 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,24
    -0,31 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.790,70
    +30,80 (+1,75%)
     
  • BTC-USD

    17.112,77
    +233,24 (+1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,34
    +4,64 (+1,16%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.574,79
    +1,74 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.005,00
    -37,25 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4083
    +0,0118 (+0,22%)
     

Assédio é o principal problema dos ônibus em SP, aponta pesquisa

Rogerio de Santis/Futura Press

Uma pesquisa divulgada nesta semana mostra que o assédio é considerado o problema mais grave nos ônibus em São Paulo. Os dados, coletados pela Rede Nossa São Paulo apontam que o problema supera até a demora e a superlotação no transporte público. No geral, o quesito recebeu nota 2,6 em uma escala que ia de 1 a 10

O estudo, que ouviu 1.603 moradores da cidade de São Paulo, com idade a partir de 16 anos, entre o final de agosto e o início de setembro, pediu que os participantes analisassem e atribuíssem uma nota a 14 itens como preço da passagem, lotação, assédio e demora para chegar. 62% dos usuários de transporte público atribuíram notas 1 e 2 no item, índice mais baixo registrado na pesquisa. E para as mulheres, como se pode imaginar, esse é um problema que incomoda mais. Quase 70% delas indicaram notas baixas para a questão, enquanto 54% fizeram os mesmos.

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO FACEBOOK
SIGA O YAHOO BRASIL NO FACEBOOK

O assédio sexual também é um problema mais percebido por pessoas com menor renda e escolaridade e nos extremos norte e sul da capital. Segundo a pesquisa, o problema foi descrito como crítico por 68% dos entrevistados, na zona sul, e 56% na zona norte.