Mercado abrirá em 4 h 10 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,58
    +0,12 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.766,20
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    61.595,73
    -1.348,92 (-2,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.370,49
    -10,46 (-0,76%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.013,38
    +29,88 (+0,43%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    13.974,00
    -40,00 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7152
    -0,0059 (-0,09%)
     

Aspirina pode reduzir risco de óbito e internação por COVID em UTIs, diz estudo

Fidel Forato
·4 minuto de leitura

Na luta contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2), muitos estudos ainda estão em desenvolvimento, principalmente na busca por remédios eficazes contra a infecção viral. Se as vacinas avançaram muito neste um ano de pandemia para a prevenção, os remédios para o tratamento nem tanto. Agora, um estudo preliminar norte-americano revelou que a Aspirina (ácido acetilsalisílico), em doses baixas, pode ser um eficaz aliado contra a COVID-19, reduzindo a necessidade internação e óbito.

De fácil acesso e bastante conhecida, a Aspirina usada como tratamento pode evitar a necessidade internação dos pacientes em unidade de terapia intensiva (UTI) e, consequentemente, o óbito de pessoas já contaminadas pelo coronavírus. A ideia por trás de seu uso está no fato de que o medicamento impede a formação de pequenos coágulos no sangue, de acordo com a equipe de pesquisadores da George Washington University (GWU), nos Estados Unidos. O estudo inicial foi publicado na revista científica Anesthesia & Analgesia.

Aspirina pode ser eficaz contra casos graves da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Christine Sandu/ Unsplash)
Aspirina pode ser eficaz contra casos graves da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Christine Sandu/ Unsplash)

Aspirina contra a COVID-19

"A razão pela qual começamos a olhar para a aspirina e a COVID-19 é porque, na primavera, nós percebemos que todos esses pacientes [da infecção viral] começaram a desenvolver muitas complicações trombóticas ou muitos coágulos sanguíneos que se formaram em seus corpos", explica o Dr. Jonathan Chow, pesquisador envolvido no estudo e professor na Escola de Medicina e Ciências da GWU, durante entrevista para o canal de TV CNN.

Nestas condições, os pesquisadores apontam que a aspirina pode ajudar na redução das reações do corpo à infecção, evitando que se formem coágulos sanguíneos e que esses se transformem em casos mais graves de trombose. Fora desse uso experimental, a sua composição é muito utilizada no tratamento de dor, febre e inflamações.

Uma vantagem do seu uso, caso comprovada a eficácia, é o custo baixo para todo o tratamento de pacientes com a COVID-19. No Brasil, uma caixa do medicamento com 10 comprimidos pode ser comprada por menos de R$ 10,00, por exemplo. Em paralelo, outros medicamentos anti-COVID-19 comumente usados, como o remdesivir, podem custar até milhares de dólares em um tratamento completo.

Aspirina ajuda contra o coronavírus?

Para verificar a eficácia do medicamento, a equipe de pesquisadores examinou os registros de 412 pacientes internados em diferentes hospitais dos Estados Unidos entre março e julho de 2020. Deste total, cerca de 24% dos pacientes receberam aspirina em até 24 horas após darem entrada no hospital ou nos sete dias antes da admissão hospitalar. No entanto, a maioria dos participantes (76%) não recebeu o medicamento.

De acordo coma análise dos cientistas, o uso de aspirina foi associado a uma redução de 44% na necessidade de ventilação mecânica, uma redução de 43% na admissão em UTI e uma redução de 47% na mortalidade hospitalar. No entanto, os resultados ainda não são definitivos.

"O uso de aspirina pode estar associado a melhores resultados em pacientes com a COVID-19 hospitalizados [casos graves]. No entanto, um ensaio clínico randomizado e controlado com potência suficiente é necessário para avaliar se existe uma relação causal entre o uso de aspirina e a redução da lesão pulmonar e da mortalidade em pacientes com a COVID-19", apontam os autores do estudo, no artigo.

Nesse sentido, o baixo número de participantes medicados com a aspirina (78 voluntários infectados) e a questão da escolha do grupo medicado e placebo não terem sido aleatórias limitam os resultados. Para uma conclusão mais acertada e definitiva, o pesquisador Chow aponta para um estudo britânico, ainda em desenvolvimento, chamado de Recovery Trial. Quando publicado, será possível uma nova abordagem para o medicamento, caso seja benéfico.

Para acessar o estudo completo sobre o uso de apirina para casos graves da COVID-19, publicado na revista científica Anesthesia & Analgesia, clique aqui.

[AVISO] É importante ressaltar que qualquer medicação deve ser indicada por um médico para o eventual tratamento da COVID-19. Inclusive, a Aspirina pode apresentar diversos efeitos colaterais. Apesar de ser comercializado sem receita, o medicamento deve ser usado com moderação já que pode dificultar a coagulação do sangue, por exemplo. Popularmente, este efeito de antiagregante plaquetário é conhecido por "afinar" o sangue. Além disso, o uso não é recomendado para inúmeros pacientes com determinadas condições preexistentes. Automedicação pode ser perigosa, consulte seu médico!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: