Mercado fechará em 6 h 59 min
  • BOVESPA

    117.197,82
    0,00 (0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.845,83
    -200,77 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,76
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.724,40
    +3,60 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    20.208,34
    +171,40 (+0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    459,62
    +1,21 (+0,26%)
     
  • S&P500

    3.783,28
    -7,65 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    30.273,87
    -42,43 (-0,14%)
     
  • FTSE

    6.994,23
    -58,39 (-0,83%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,82 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,80 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.622,25
    -1,50 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1120
    -0,0242 (-0,47%)
     

WhatsApp vira 'super aplicativo' na Índia; veja as diferenças

Indianos agora podem realizar as compras do mês através do WhatsApp (AP Photo/Patrick Sison, File)
Indianos agora podem realizar as compras do mês através do WhatsApp (AP Photo/Patrick Sison, File)
  • Integração com JioMart permitirá a compra de itens de mercado na Índia;

  • Atualização é mais um passo para o WhatsApp nos seus planos de se tornar um super aplicativo;

  • WeChat é o maior super aplicativo do mundo, com 2 bilhões de usuários.

Os indianos agora já podem fazer suas compras para casa pelo WhatsApp, graças a uma nova atualização do aplicativo no país anunciada nesta segunda-feira (29). A Meta, empresa dona do aplicativo mensageiro, noticiou uma integração com o JioMart.

Nela, os usuários poderão enviar uma mensagem de texto para um determinado número e serem direcionados para a experiência de compra no aplicativo. O processo é bastante similar ao de realizar compras por qualquer outro aplicativo, a grande novidade aqui é que o usuário nunca sai da plataforma do WhatsApp, e para a empresa, isso é um grande desenvolvimento.

A Meta quer que o WhatsApp se torne um super aplicativo, como o WeChat é na China. Nele, os usuários podem pagar seu aluguel, comprar ingressos para shows, pedir comida via delivery, fazer as compras do mês, realizar pagamentos instantâneos e participar de redes sociais.

A empresa americana acredita que aplicações voltadas para o comércio serão uma grande parte de como o WhatsApp se rentabilizará no futuro, isto é, anúncios, mas com este a Meta tem encontrado grandes dificuldades de aprovação pública e reguladora.

No entanto, se tornar um super aplicativo e atuar em grandes setores da vida do público é basicamente uma forma garantida para fazer uma fortuna no processo, por meio de taxas de processamento de pagamentos, recursos premium e anúncios.

Por enquanto nenhuma plataforma chegou perto do domínio que o WeChat tem, com mais de 2 bilhões de usuários, mas o WhatsApp é o concorrente mais forte. Só na Índia o aplicativo de Zuckerberg tem cerca de 400 milhões de usuários, sendo capaz de rodar em quase todos modelos de celular.

O WhatsApp vem trabalhando nesse modelo de negócios há um bom tempo, e podemos esperar alguma tentativa da empresa similar no mercado brasileiro nos próximos anos.