Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.288,35
    +865,64 (+1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

As 5 cenas de sexo mais sofridas para as atrizes no cinema

Rafael Monteiro
·3 minuto de leitura
"Azul é a Cor Mais Quente", "Cinquenta Tons de Cinza" e "Ninfomaníaca": filmes que causaram extremo desconforto para os envolvidos (reprodução)
"Azul é a Cor Mais Quente", "Cinquenta Tons de Cinza" e "Ninfomaníaca": filmes que causaram extremo desconforto para as atrizes envolvidas (reprodução)

Nada de prazer. Cenas de sexo, na verdade, costumam ser bastante incômodas e estressantes para os atores envolvidos durante as gravações, como eles mesmo vivem dizendo em entrevistas em Hollywood.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Mostrando como tais cenas podem ser sofridas e até mesmo problemáticas, relembramos cinco casos emblemáticos de cenas sensuais que acabaram virando histórias de desconforto.

Leia também:

Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux em Azul é a Cor Mais Quente (2013)

O caso mais emblemático também é o mais problemático. Meses após a gravação do filme, Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux, estrelas do longa, relataram extremo desconforto durante as filmagens e não pouparam críticas ao diretor franco-tunisiano Abdellatif Kechiche. “A maioria das pessoas na vida real sequer se atreve a fazer o que ele nos obrigou e geralmente tem mais respeito um pelos outros. Ele não”, comentou Adèle, protagonista do filme, em entrevista ao The Daily Beast. “A cena do primeiro encontro das duas dura somente 30 segundos, mas ele nos fez gravar mais de 100 vezes em um dia. Era tudo feito com certa violência e humilhação. Foi um sofrimento e exploração”, completou Léa ao mesmo veículo.

Jennifer Lopez em O Garoto da Casa ao Lado (2015)

Ryan Guzman, colega de cena de Jennifer Lopez no longa, admitiu que exagerou na dose durante as cenas de sexo. Depois do ator usar muita força durante a gravação de um momento que deveria ser sexy, a estrela reclamou. “Meu personagem tinha que agarrar a Jennifer, e eu, estúpido, me empolguei demais na situação”, contou o ator à revista People. “Ela bateu com a cabeça e me falou: ‘eu estou bem, mas você não precisa usar tantos músculos comigo. Basta ter calma’.”

Dakota Johnson em Cinquenta Tons de Cinza (2015)

Dakota Johnson já explicou algumas vezes que as cenas de sexo da franquia foram bastante incômodas de serem gravadas. No caso de algumas fantasias, elas chegaram a ser dolorosas. “Jamie estudou bastante as práticas de bondage (fetiche de amarrar e imobilizar a outra pessoa durante o sexo) para que tudo fosse feito de forma segura. Mas é óbvio que muitas vezes foi doloroso", revelou ela à Glamour.

Charlotte Gainsbourg em Ninfomaníaca (2014)

O filme de Lars Von Trier mostra como o sexo pode ser desconfortável. Durante as gravações, os atores sentiram algo próximo dos seus personagens. “As cenas de sexo não foram difíceis, mas as de masoquismo foram constrangedoras e humilhantes. Usei uma prótese vaginal, então, todo dia, durante duas horas, tinha que lidar com alguém trabalhando ‘lá embaixo’. Também tinha que ficar horas sem fazer xixi. Essa foi a parte difícil”, disse Charlotte Gainsbourg ao Guardian.

Cameron Diaz em Sex Tape: Perdido na Nuvem (2014)

Cameron Diaz não teve grandes problemas com as cenas de nudez e de sexo da comédia. A maior dificuldade, curiosamente, surgiu ao gravar a cena de parto do filme. “Eu tive que atuar e fingir que estava empurrando uma bola de basquete que saía da minha vagina. Uma loucura, né? Mas não tinha o que fazer. Tive que repetir para mim mesma: ‘Tenho sorte. Este é um grande trabalho. Eu acho isso divertido’", contou à Esquire.

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube