Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.588,37
    -1.768,33 (-2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Artistas seguem na penúria e com mais informais, mas setor criativo se recupera

·3 minuto de leitura

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Mesmo após o avanço da vacinação e de políticas de auxílio emergencial, o setor cultural brasileiro segue em crise e observou uma queda de 21% no número de postos de trabalho em comparação com 2019. Compõem esse grupo pessoas especializadas nas áreas de teatro, artes visuais, cinema, musica, fotografia, radio e TV, artesanato e museus e patrimônio.

Apesar de disso, se analisados de forma individual, os segmentos de artes cênicas e artes visuais tiveram um crescimento de 13% no número de postos de trabalho em comparação com 2020.

Já a economia criativa como um todo, que, além de artistas, também engloba profissionais como designers, publicitários e trabalhadores de apoio, se recuperou e está agora próximo do cenário pré-pandemia.

A economia criativa criou 590 mil postos de trabalho no segundo trimestre deste ano, segundo o Painel de Dados do Observatório Itaú Cultural, feito a a partir de dados da Pnad Contínua.

Ao final de junho deste ano, o Brasil contava com 6,8 milhões de trabalhadores em atividade no setor criativo. No ano passado, eram 6,2 milhões. Antes da pandemia, no segundo trimestre de 2019, eram 6,9 milhões de pessoas trabalhando na economia criativa no país.

As atividades que mais criaram novos postos de trabalho, em comparação com o segundo trimestre do ano passado, foram gastronomia (43%), moda (30%), tecnologia da informação (23%) e arquitetura (21%). Já os segmentos que mais perderam postos foram os de museus e patrimônio (-18%) e cinema, música, fotografia e Rádio e TV (-14%).

Estão dentro desse grupo analisado desde porteiros de teatros a administradores de cinema a artistas e designers. A categoria "economia criativa" engloba trabalhadores de atividades artesanais, teatro, artes visuais, cinema, musica, fotografia, radio e TV e museus, especializados ou não, além de trabalhadores de publicidade, arquitetura, moda, design, tecnologia da informação e editorial.

O número de trabalhadores informais na economia --sem carteira assinada e sem CNPJ-- identificados pelo painel cresceu 19% em comparação com o mesmo período do ano passado. Em 2021, são 2,6 milhões trabalhando sem registo formal na economia criativa contra 2,2 milhões no ano passado. Já os postos de trabalho formais cresceram 4% no mesmo período.

O setor criativo brasileiro terminou o ano passado perdendo 458 mil postos de trabalho, formais e informais, em comparação com o último trimestre de 2019. Mas o quadro poderia ter sido pior. Isso porque só no primeiro semestre 870 mil empregos haviam sido ceifados da cultura. Ou seja, houve uma recuperação de 412 mil empregos, ainda que o cenário continue desfavorável.

Paralelamente, a lentidão na Lei Rouanet, farol para produtores culturais e para o mercado, chegou ao seu pico. Entre janeiro e agosto, a secretaria analisou 45% menos propostas em comparação a igual período do ano passado. A queda mais acentuada ocorreu no último trimestre, quando 131 análises foram realizadas, uma baixa de 78,5% ante o trimestre anterior. Dessa forma, uma proposta leva em média cinco meses para ser aprovada, três meses a mais do que no ano passado --uma lentidão inédita dentro da própria gestão Bolsonaro.

Os projetos culturais que pleiteiam o fomento estão centralizados nas mãos do secretário de Fomento André Porciuncula, um ex-policial militar que, mesmo sem experiência no setor cultural, segura sozinho a caneta que dá a aprovação final aos pedidos feitos à Rouanet. Ele está nesse papel desde que a Cnic, a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura, foi dissolvida durante a gestão Mario Frias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos