Mercado fechado

Artistas pintam frase "Vidas Pretas Importam" na Avenida Paulista

Colaboradores Yahoo Notícias
·3 minuto de leitura
Artistas pintam frase "Vidas Pretas Importam" na Avenida Paulista, em São Paulo
Artistas pintam frase "Vidas Pretas Importam" na Avenida Paulista, em São Paulo

O asfalto da Avenida Paulista ganhou a frase “Vidas Pretas Importam” na altura do Masp (Museu de Arte de São Paulo), local onde na última sexta-feira (20) manifestantes protestaram contra o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos espancado até a morte por dois seguranças brancos de uma unidade do hipermercado Carrefour, em Porto Alegre.

O trabalho artístico começou por volta das 21h, atravessou a madrugada e terminou às 5h deste sábado. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) colaborou interditando três faixas da avenida até que a tinta seque. A via deverá ser completamente liberada nesta tarde.

Leia também

A pintura foi coordenada e realizada por um “coletivo de artistas produtores culturais”, que reúne profissionais de vários segmentos e voluntários. A iniciativa lembra a pintura da inscrição “Black Lives Matter” em frente à Trump Tower, em Nova York (EUA), após o assassinato de George Floyd por policiais, em maio.

“Eu espero que a gente consiga dar o recado do tamanho que está sendo essas letras. Uma simbologia nessa cidade, nessa avenida”, disse a artista e produtora Fernanda de Deus ao portal G1. “Não só no dia de hoje, a gente tem que exaltar o quanto é importante a vida dos negros e negras. Os pretos e pretas aqui no Brasil”, prosseguiu.

“Eu desejo que acabe [o racismo]”, falou o artista visual João França. “Porque essa violência sempre existiu. A diferença é que agora ela está sendo mostrada pela câmera de celular”, concluiu.

Na noite da última quinta-feira (19), véspera do Dia da Consciência Negra, João Alberto Silveira Freitas foi espancado até a morte após uma briga na porta do supermercado Carrefour, no bairro Passo d’Areia, na capital gaúcha.

De acordo com informações preliminares, ele havia discutido com dois seguranças do estabelecimento antes da briga começar. Segundo a Brigada Militar, a confusão teria iniciado no caixa do supermercado, envolvendo o homem e uma funcionária. A vítima teria ameaçado agredir a mulher, que chamou os seguranças.

Os dois funcionários teriam encaminhado João Alberto Silveira Freitas para fora do estabelecimento e é aí que as histórias começam a divergir. A Brigada Militar afirma que a briga se deu porque o homem não aceitou ser removido do local, mas testemunhas afirmam que os dois seguranças seguiram João Alberto dentro do estabelecimento e o agrediram na saída.

Confira, abaixo, o posicionamento do Carrefour sobre o ocorrido:

Sobre a brutal morte do senhor João Alberto Silveira Freitas na loja em Porto Alegre, no bairro Passo D’Areia:

O Carrefour informa que adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso. Também romperá o contrato com a empresa que responde pelos seguranças que cometeram a agressão. O funcionário que estava no comando da loja no momento do incidente será desligado. Em respeito à vítima, a loja será fechada. Entraremos em contato com a família do senhor João Alberto para dar o suporte necessário.

O Carrefour lamenta profundamente o caso. Ao tomar conhecimento deste inexplicável episódio, iniciamos uma rigorosa apuração interna e, imediatamente, tomamos as providências cabíveis para que os responsáveis sejam punidos legalmente.

Para nós, nenhum tipo de violência e intolerância é admissível, e não aceitamos que situações como estas aconteçam. Estamos profundamente consternados com tudo que aconteceu e acompanharemos os desdobramentos do caso, oferecendo todo suporte para as autoridades locais.