Mercado abrirá em 4 h 18 min
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,31
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.860,80
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    40.041,71
    -44,06 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    995,55
    -15,06 (-1,49%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.176,22
    +3,74 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    28.436,84
    -201,69 (-0,70%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    -150,29 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    14.038,50
    +8,25 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1160
    -0,0019 (-0,03%)
     

Artigo:‘A realidade é adversa’, Vinícius D. Cavalcante

·1 minuto de leitura

RIO - Por quais critérios se pode analisar o sucesso de uma operação policial? Pelo quantitativo de logística e efetivos envolvidos? Pela quantidade de prisões efetuadas? Pela quantidade de armas e drogas apreendidas? Pela desarticulação dos negócios do grupo criminoso? Por certo, não se busca avaliar o sucesso de uma ação pela quantidade de bandidos mortos em combate com as forças de segurança, mas as baixas infringidas ao tráfico não podem ser descartadas como fator do crime. Sobretudo contra uma criminalidade numerosa, violenta e bem armada que busca legitimar-se como um poder paralelo em territórios do Rio.

Vivemos uma realidade adversa e atípica: em lugar algum do mundo encontramos tantos criminosos comuns com armamento militar moderno, com farto suprimento de munições e explosivos. Esses bandidos não se desencorajam, porque há um arcabouço de leis frouxas e muitíssimo mal aplicadas. A verdade é que nossos criminosos, equipados e sob o efeito de drogas, só temem a força e a violência que sejam superiores às deles. Quando proibimos operações policiais em seus santuários, fortalecemos nossos narcotraficantes, que não se deterão ou se renderão, sem sentir a força repressora do Estado.