Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.344,77
    +738,91 (+1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Artigo do BC chinês sugere exigir de grandes empresas de tecnologia divulgação de dados de crédito

·1 minuto de leitura

PEQUIM (Reuters) - Um artigo publicado pelo banco central da China nesta sexta-feira sugeriu que as autoridades deveriam exigir que as plataformas da internet reportassem dados de crédito completos aos bancos de dados do país em um movimento para quebrar seu status de monopólio.

O artigo, escrito por um grupo de pesquisa do departamento de proteção ao consumidor financeiro da autoridade monetária chinesa, sugeriu que os reguladores devem exigir que todas as instituições de crédito relatem dados de empréstimos aos bancos de dados de informações financeiras de crédito do país.

Ele enfatizou o foco em grandes plataformas de internet, que usam informações financeiras do consumidor para oferecer perfis de usuários e serviços de gerenciamento de risco a instituições financeiras. Ele sugeriu uma "integração" dos dados monopolizados por grandes empresas de tecnologia em uma estrutura regulatória para que os dados possam ser legalmente compartilhados com outras instituições.

Aproveitando os dados coletados de milhões de usuários, a Ant, do Alibaba, o WeBank, apoiado pela Tencent, e a JD.com tornaram-se poderosos intermediários terceirizados que atraem tomadores de empréstimos e tomam até um terço das margens de lucro dos empréstimos. Os bancos com os quais têm parceria fornecem passivamente o crédito e têm conhecimento limitado de seus mutuários.

O artigo, publicado na conta oficial do BC chinês no Wechat, também sugeriu incluir dados de grandes plataformas de internet na gestão macroprudencial.

(Reportagem de Zhang Yan, Cheng Leng e Ryan Woo)