Mercado fechará em 6 h 51 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,41
    +0,54 (+0,68%)
     
  • OURO

    1.944,20
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    23.077,73
    +172,72 (+0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    522,84
    +4,04 (+0,78%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.782,59
    +10,89 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.130,25
    -21,75 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5111
    -0,0045 (-0,08%)
     

Artemis I | Nave Orion inicia jornada de volta à Terra

Nesta segunda-feira (5), a nave Orion acionou seus motores por 207 segundos quando estava a apenas 128 km da superfície lunar. O acionamento fez parte de uma manobra essencial para a viagem de volta para a Terra, que levará a Orion para pousar no oceano Pacífico em 11 de dezembro.

“A Orion está agora com seus ‘olhos’ em casa”, disse Sandra Jones, representante da NASA, durante uma transmissão. “A queima de hoje é crítica para garantir que a Orion está na trajetória apropriada para retornar à Terra em segurança”, acrescentou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Para ajustar sua trajetória de retorno, a Orion contou com um motor “reaproveitado” dos ônibus espaciais. Chamado “sistema de manobra orbital” (OMS), ele pode ser acionado por até 16 minutos, servindo tanto para impulsionar naves quanto para abortar missões.

Com a manobra, a Orion “aproveitou” a gravidade da Lua para conseguir aceleração. Ela deverá chegar ao nosso planeta na próxima semana, viajando pela atmosfera a mais de 40 mil km/h e colocando seu escudo térmico à prova. O componente vai encarar temperaturas de aproximadamente 2.800 ºC, metade do calor da superfície do Sol.

O sobrevoo necessário para o retorno foi a última grande manobra da missão e, se for preciso, ainda devem acontecer pequenas correções de trajetória. Se tudo correr bem com o escudo térmico e com os paraquedas da Orion, ela descerá ao oceano, marcando o fim da missão Artemis I.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: