Mercado abrirá em 2 h 42 min
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,04
    +0,75 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.767,70
    +3,90 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    43.153,96
    -1.674,00 (-3,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.080,81
    -53,58 (-4,72%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.982,56
    +78,65 (+1,14%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.127,00
    +117,50 (+0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2495
    +0,0048 (+0,08%)
     

Arriscando irritar China, Blinken encontra representante de Dalai Lama na Índia

·1 minuto de leitura
Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, durante entrevista coletiva em Nova Délhi

Por Simon Lewis e Aftab Ahmed

NOVA DÉLHI (Reuters) - O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, se reuniu com um representante do líder espiritual do Tibete, o Dalai Lama, em Nova Délhi, na quarta-feira, afirmou um porta-voz do Departamento de Estado, o que pode provocar a irritação da China.

Blinken se reuniu brevemente com Ngodup Dongchung, que opera como representante da Administração Central Tibetana (CTA, sigla em inglês), também conhecida como o governo do Tibete em exílio, disse o porta-voz.

Tropas chinesas tomaram o Tibete em 1950 no que Pequim chamou de "liberação pacífica". Em 1959, o Dalai Lama fugiu em exílio para a Índia após uma tentativa sem sucesso de insurreição contra o domínio chinês.

A Administração e grupos ativistas pró-Tibete receberam um impulso de apoio internacional nos últimos meses, entre críticas cada vez maiores ao histórico de direitos humanos da China, especialmente dos Estados Unidos.

A reunião de Blinken com Dongchung é o contato mais importante com a liderança do Tibete desde que o Dalai Lama se encontrou com o então presidente Barack Obama em Washington em 2016.

O Ministério das Relações Exteriores da China não respondeu ao pedido por comentários. Pequim diz que o Tibete é parte da China e classifica o Dalai Lama como um separatista perigoso.

(Por Simon Lewis e Sanjeev Miglani em Nova Délhi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos