Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.951,25
    -916,64 (-1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Arrendamento de terminal de GNL da Petrobras na Bahia segue para fase de homologação

·1 minuto de leitura
Logo da Petrobras em sede no Rio de Janeiro

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O processo de arrendamento do Terminal de Regaseificação de GNL da Bahia (TR-BA) da Petrobras para a Excelerate Energy seguiu para a fase de homologação, após ter sido encerrada a etapa para recursos, informou a petroleira, segundo circular publicada no site da estatal datada desta sexta-feira.

A proposta da norte-americana, única licitante, foi de 102 milhões de reais por 30 meses, segundo documento também disponível no site, o que confirma matéria anteriormente publicada pela Reuters.

Localizado na Baía de Todos os Santos, o terminal de GNL da Petrobras na Bahia tem capacidade de regaseificação máxima de 20 milhões de metros cúbicos por dia.

A concessão do terminal na Bahia atende a um acordo firmado entre Petrobras e órgão antitruste Cade, uma vez que a companhia se comprometeu em colaborar com abertura do mercado de gás no país.

A nova empresa que vai assumir o terminal de GNL na Bahia irá instalar um navio no local, permitindo então que a Petrobras desloque um navio regaseificador da unidade baiana para o Terminal de Regaseificação de GNL de Pecém, no Ceará.

O movimento ocorre em momento em que o Brasil vem elevando a demanda por GNL para atender mais térmicas, diante da maior crise hídrica em reservatórios de hidrelétricas em mais de 90 anos.

(Por Marta Nogueira)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos