Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,35
    -0,11 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.764,30
    -2,50 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    63.282,88
    +302,71 (+0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.397,71
    +16,76 (+1,21%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    14.009,50
    -4,50 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7196
    -0,0015 (-0,02%)
     

Arrecadação de março já deve sentir impacto do recrudescimento da pandemia, diz Guedes

Gabriel Ponte
·1 minuto de leitura
O ministro da Economia, Paulo Guedes

Por Gabriel Ponte

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta segunda-feira que os primeiros dados da arrecadação federal de março mostram que as receitas estavam mantendo o "ritmo" verificado em fevereiro, quando o recolhimento de tributos foi recorde, mas que os números da segunda quinzena do mês, e também os de abril, já devem sofrer o impacto do recrudescimento da pandemia.

"Evidentemente, daí para a frente, com recrudescimento da pandemia, pancada na economia brasileira, é evidente que devemos sofrer algum impacto", disse Guedes.

O ministro voltou a falar sobre a importância da vacinação em massa, ressaltando que ela é o único caminho para garantir o retorno seguro das pessoas ao trabalho, particularmente os mais vulneráveis.

O ministro disse que, além do auxílio emergencial, é obrigação do governo garantir a vacinação em massa nos "próximos três, quatro meses".

A arrecadação federal teve crescimento real de 4,3% em fevereiro sobre o mesmo mês do ano passado e somou 127,7 bilhões de reais, melhor resultado desde o início da série da Receita, em 2000. O recolhimento do bimestre, de 308 bilhões de reais, também foi recorde.