Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.721,64
    +1.640,98 (+2,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Arrecadação de impostos cai 1,5% e fica em R$ 180,2 bi em janeiro

Fernanda Trisotto
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - A arrecadação federal de impostos ficou em R$ 180,2 bilhões em janeiro, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pela Receita Federal. Apesar de o resultado ser superior em termos nominais, houve uma uma queda de 1,5%, descontada a inflação do período.

Segundo o Fisco, o resultado foi influenciado por pagamentos atípicos e compensações — opções que contribuintes têm de abater imposto. Sem esses fatores, a arrecadação teria crescido, afirma o órgão.

"Sem considerar os pagamentos atípicos e as compensações, haveria um crescimento real de 3,72% da arrecadação no mês de janeiro de 2021. Esse desempenho pode ser explicado pelo comportamento da economia e pelo crescimento da arrecadação do IRPJ/CSLL, especialmente, das empresas que fecharam seus balanços no mês de dezembro de 2020", diz o relatório da Receita.

Apesar da queda em relação ao ano passado, a arrecadação em janeiro de 2021 ainda ficou acima do patamar R$ 180 bilhões, o que representa um volume superior a todos os outros anos da série histórica.

O desempenho vem na esteira do resultado ruim de 2020, quando o valor levantado com tributos foi fortemente impactado pela pandemia de Covid-19.

Com o surto do novo coronavírus, a arrecadação despencou 6,91% no ano passado, na comparação com 2019, já descontada a inflação. O governo arrecadou R$ 1,479 trilhão.

Essa queda foi reflexo do tombo na atividade econômica e das medidas de mitigação que o governo adotou para combater os impactos da pandemia da Covid-19 sobre a economia. Com menos atividade, há menos arrecadação.