Mercado fechará em 6 h 45 min
  • BOVESPA

    113.794,04
    -0,24 (-0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,34
    -0,27 (-0,37%)
     
  • OURO

    1.753,00
    -3,70 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    47.386,83
    -652,29 (-1,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.202,47
    -30,82 (-2,50%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.040,93
    +13,45 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.505,00
    -12,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2296
    +0,0448 (+0,72%)
     

Arrecadação federal soma R$ 171,3 bilhões em julho, um recorde para o mês

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Receita Federal registrou uma arrecadação de R$ 171,3 bilhões em julho. Isso representa um recorde para o mês (já considerando números atualizados pela inflação).

O resultado significa um crescimento real —considerando o efeito da inflação— de 35,5% na comparação com julho do ano passado.

Em relação ao mesmo período de 2019, quando não houve impacto da pandemia, os dados de julho de 2021 registraram alta real de 11,5%. O balanço foi divulgado pelo Ministério da Economia nesta quarta-feira (25).

No acumulado de janeiro a julho, a arrecadação de impostos somou R$ 1,053 trilhão. Isso significa uma alta real de 26,1% na comparação com o mesmo período do ano passado, e também recorde na série histórica (iniciada em 1995, mas padronizada em 2000).

A arrecadação federal tem apresentado desempenho acima do esperado inicialmente pelo governo para 2021.

O resultado tem se acelerado ao longo do ano. Em janeiro, por exemplo, houve uma queda em comparação ao mesmo período do ano passado, foi de 1,5%, em termos reais.

No acumulado de janeiro a abril, foi registrado uma alta real de 13,6% em relação a 2020. Até julho, o aumento avançou e registrou o patamar de 26,1%.

O ministro Paulo Guedes (Economia) participou do início da entrevista virtual sobre os números, sem ficar para a sessão de perguntas, e disse que, com a reaceleração da economia brasileira, a arrecadação está apresentando fortes resultados.

“A arrecadação forte significa principalmente que o país está numa retomada econômica vigorosa”, disse.

Acompanhando o maior otimismo do mercado sobre a atividade no país e após a retração gerada pela pandemia em 2020, o ministro tem dito que o PIB (Produto Interno Bruto) deverá crescer entre 5% e 5,5% neste ano.

O ministro ressaltou que, de janeiro a julho, foram registrados cinco recordes mensais pela Receita Federal. Apenas em janeiro e junho o resultado da arrecadação. “O importe é que isso reforça nossa expectativa de uma boa defesa dos fundamentos fiscais”, afirmou.

Guedes destacou o desempenho do recolhimento de impostos de pessoas jurídicas no acumulado de janeiro a julho. Segundo ele, seria confortável para o governo desistir de propor uma reforma tributária que mexe justamente nos impostos que estão mais arrecadando, como IRPJ, PIS e Cofins.

“Estaríamos abrindo mão desse excesso de arrecadação que está vindo aí. [...] Mas a hora de arriscar numa reforma tributária é exatamente essa”, declarou o ministro.

Ele voltou a dizer que possivelmente o Brasil registrará um superávit nas contas públicas no próximo ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos