Mercado abrirá em 5 h 48 min
  • BOVESPA

    106.419,53
    -2.295,02 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.206,59
    +372,79 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,91
    -0,74 (-0,87%)
     
  • OURO

    1.787,90
    -5,50 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    60.789,85
    -1.485,07 (-2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.483,21
    -21,95 (-1,46%)
     
  • S&P500

    4.574,79
    +8,31 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.756,88
    +15,73 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.277,62
    +54,80 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    25.619,90
    -418,37 (-1,61%)
     
  • NIKKEI

    29.069,38
    -36,63 (-0,13%)
     
  • NASDAQ

    15.566,75
    +21,75 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4582
    +0,0041 (+0,06%)
     

Arrecadação federal sobe 7,25% e bate recorde em agosto

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.09.2021 - Cédula de R$ 200,00 reais. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.09.2021 - Cédula de R$ 200,00 reais. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Receita Federal registrou uma arrecadação de R$ 146,5 bilhões em agosto, um recorde para o mês, já considerando números atualizados pela inflação. O resultado representa um crescimento real de 7,25% na comparação com agosto do ano passado.

Em relação ao mesmo período de 2019, quando não houve impacto da pandemia, os dados de agosto de 2021 registraram alta real de quase 9%. O balanço foi divulgado pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira (23).

No acumulado de janeiro a agosto, a arrecadação de impostos somou R$ 1,199 trilhão. Isso significa uma alta real de 23,5% na comparação com o mesmo período do ano passado, e também recorde na série histórica iniciada em 1995.

Apesar do dado positivo, o crescimento da arrecadação perdeu força. A alta das receitas foi de 67% acima da inflação em maio, 46% em junho e 30% em julho, indo a 6% em agosto.

De acordo com a Receita, o dado do mês passado deve ser celebrado porque a base de comparação é agosto de 2020, período em que houve reabertura das empresas e retomada da atividade após arrefecimento da primeira onda da pandemia do coronavírus. O patamar deste ano também é mais alto que o de 2019.

Nos últimos meses, a arrecadação federal tem apresentado desempenho acima do esperado inicialmente pelo governo para 2021.

Na avaliação da Receita, o resultado reflete a retomada da atividade econômica. Houve variação positiva na produção industrial e na venda de bens e serviços no período.

"A arrecadação tributária tem surpreendido positivamente. Os valores arrecadados em cada mês têm sido superiores às diversas previsões feitas de forma recorrente. Esse desempenho comprova que a trajetória da arrecadação é sustentável e tem um importante componente estrutural", disse o secretário da Receita Federal, José Barroso Tostes Neto.

Em agosto, houve uma alta real de 42% na arrecadação de Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Houve um aumento de R$ 7,6 bilhões nessa conta, na comparação com agosto de 2020, mas R$ 5 bilhões são considerados arrecadação extraordinária.

Houve ainda um ganho de 343% em IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), mas esse ganho é distorcido porque no ano passado o governo reduziu esse tributo provisoriamente para aliviar a economia durante a crise sanitária do coronavírus.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos