Mercado abrirá em 8 h 42 min
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,69
    -0,38 (-0,53%)
     
  • OURO

    1.807,60
    +5,80 (+0,32%)
     
  • BTC-USD

    38.321,00
    +4.194,17 (+12,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    915,78
    +122,05 (+15,38%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    26.527,06
    -794,92 (-2,91%)
     
  • NIKKEI

    27.860,69
    +312,69 (+1,14%)
     
  • NASDAQ

    15.087,75
    -10,25 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1233
    +0,0017 (+0,03%)
     

Arrecadação federal salta 69,9% em maio e é recorde para o mês

·2 minuto de leitura
Dívida pública federal cresce 1,61% em maio

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - A arrecadação das receitas federais somou 142,106 bilhões de reais em maio, alta real de 69,88% sobre o mesmo mês do ano passado e o melhor resultado para o mês da série do governo, que tem início em 1995, mostraram números divulgados nesta terça-feira.

No acumulado do ano, as receitas somaram 744,828 bilhões de reais, valor também recorde para o período, com crescimento de 21,17% sobre os mesmos meses de 2020 na comparação corrigida pela inflação, segundo a Receita Federal.

Desde o ano passado a arrecadação tem sido impactada por mudanças nas regras de recolhimento de tributos promovidas em meio à crise econômica gerada pela pandemia. Em 2020, por exemplo, o governo prorrogou o prazo para o pagamento de um maior número de tributos e reduziu alíquotas de alguns impostos para aliviar empresas e famílias.

Desconsiderando esses fatores e outros recolhimentos atípicos, segundo a Receita, a arrecadação teria crescido menos agora --11,93% no ano e 23,74% em maio.

Ainda assim, o governo destacou o impacto do crescimento da atividade sobre as receitas, ressaltando a melhora de indicadores como produção industrial e venda de bens e de serviços neste ano. O Fisco também chamou atenção para o crescimento da arrecadação de tributos de comércio exterior.

"É inequívoco que o Brasil já se levantou e a economia está caminhando com uma velocidade bem acima do que era esperado na virada do ano", disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, ao comentar os dados, quando anunciou também a intenção de acelerar uma redução da tributação sobre as empresas.

Guedes afirmou que o aumento do recolhimento de tributos tem se dado em todos os segmentos da economia e que, em alguns setores, os patamares da arrecadação já superam o verificado em 2015, antes da recessão econômica que antecedeu a pandemia.

Em maio, a arrecadação do IRPJ/CSLL, cobrado das empresas, aumentou 83,4% em termos reais, para 22,614 bilhões de reais. Segundo a Receita, no mês houve um recolhimento atípico de cerca de 4 bilhões de reais de IRPJ, em parte relacionado a reorganizações societárias de empresas. No ano, essa arrecadação do IRPJ considerada muito fora do padrão somou 16 bilhões de reais.

Questionados, técnicos da Receita disseram que ainda é cedo para dimensionar a parcela do aumento da arrecadação que pode ser relacionada ao crescimento da atividade.

"Se olharmos para os indicadores econômicos, nós vemos uma recuperação da atividade econômica, mas o quanto essa recuperação ela impacta efetivamente a arrecadação, nós só vamos ter essa análise a posteriori", afirmou o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, Claudemir Malaquias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos