Mercado fechará em 58 mins
  • BOVESPA

    123.734,46
    +1.933,67 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.998,11
    +129,79 (+0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,20
    -2,75 (-3,72%)
     
  • OURO

    1.819,00
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    39.663,14
    -1.410,20 (-3,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    971,44
    +10,54 (+1,10%)
     
  • S&P500

    4.399,03
    +3,77 (+0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.929,87
    -5,60 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    14.998,75
    +43,00 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1186
    -0,0694 (-1,12%)
     

Arrecadação federal chega a R$ 896 bi no primeiro semestre, recorde em 22 anos

·2 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 21.08.2019 - Cédulas de real. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 21.08.2019 - Cédulas de real. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A arrecadação federal chegou a R$ 896,8 bilhões no primeiro semestre de 2021, o melhor resultado para o período na série histórica (iniciada em 1995, mas padronizada em 2000).

O dado foi apresentado nesta quarta-feira (21) pela Receita Federal e representa um crescimento real de 24% sobre o mesmo período do ano passado. Na comparação com o mesmo intervalo de 2019, antes da pandemia, o avanço é de 6,1%.

A Receita afirma que o resultado é ajudado pelo desempenho de indicadores da economia, pelo crescimento da arrecadação paga por empresas, pela melhora no recolhimento com comércio exterior devido ao patamar do dólar e outros fatores.

Em junho, o resultado foi de R$ 137,1 bilhões -segundo melhor resultado para o mês (avanço real de 47% contra um ano antes e de 3,7% contra igual período de 2019). No mês, o resultado foi explicado principalmente por fatores não recorrentes (como recolhimentos extraordinários de aproximadamente R$ 20 bilhões de tributação sobre lucro e faturamento de empresas).

A arrecadação tem vindo acima do esperado inicialmente pelo governo em 2021. A diferença entre a última projeção divulgada para o ano e o calculado no Orçamento é de R$ 157 bilhões.

Nesta semana, o Ministério da Economia deve divulgar uma projeção atualizada e o ministro Paulo Guedes (Economia) já falou em R$ 200 bilhões a mais do que o previsto. Ele passou a usar esse movimento como embasamento para cortar tributos de empresas a partir do ano que vem.

Mas analistas ressaltam que a melhora na arrecadação tem ligação com fatores não-recorrentes e não assegurados para anos futuros, como a própria melhora na economia, o preço das commodities e até o padrão de consumo na pandemia -mais voltado a bens (em geral, com taxação mais elevada do que serviços).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos