Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    -0,14 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    41.189,35
    -515,30 (-1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,27 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,81 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    +10,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Arquibancadas expõem como Brasil ficou para trás da Europa no combate à Covid

·2 minuto de leitura

Foi o último jogo da seleção da Dinamarca na fase de grupos da Eurocopa. Depois de duas derrotas, para Finlândia e Bélgica, só restava aos dinamarqueses vencerem os russos em Copenhague. A cada gol na vitória por 4 a 1, a cena se repetiu nas arquibancadas do Parken Stadium: abraços trocados, copos de cerveja lançados para o alto, o sorriso nos rostos pintados com a bandeira do país.

O resultado de uma política bem-sucedida de combate à Covid-19 está sendo televisionado. A depender de quem assiste, promove o choque com a realidade. É o caso do Brasil. Eventos esportivos transmitidos para o mundo todo, com público em estádios e ginásios, mostram o fruto colhido por quem defendeu isolamento e vacinação, em vez de remédios para tratamento precoce sem eficácia comprovada pela ciência.

As cenas reforçam o equívoco das medidas governamentais diante da pandemia. A goleada dinamarquesa foi assistida por 23.644 pessoas no estádio, com capacidade para 38 mil. Longe dali, Uruguai e Chile se enfrentaram na Arena Pantanal com o ruído de torcida artificial saindo dos alto-falantes.

Quando o torcedor que assistiu à goleada dinamarquesa trocou de canal e se deparou com a Copa América, que o presidente Jair Bolsonaro se esforçou para realizar no Brasil, e seus estádios vazios, teve uma explicação visual das consequências do negacionismo. Não há truculência presidencial que camufle a realidade das arquibancadas em Copenhague e em Cuiabá.

A ciência ajuda a explicar o contraste. De acordo com o site "Our World In Data", até domingo, a Dinamarca já havia aplicado ao menos a primeira dose da vacina em 51,98% de sua população. No Brasil, esse número era de 29,52%.

Os diferentes estágios de imunização não são a única explicação. A Dinamarca permite torcedores em seus estádios porque desde fevereiro tem menos de uma morte causada por Covid-19 a cada milhão de habitantes. No mesmo período, esse número no Brasil tem sido de no mínimo cinco, com picos de 14. No domingo, foi de 9,69 mortes a cada milhão. Enquanto os moradores de Copenhague tentam deixar o luto para trás, ele persiste no Mato Grosso, de mãos dadas com a média móvel de mortes diárias na casa das 30 desde maio, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, dos EUA.

Além da Eurocopa, outro evento que desperta interesse no Brasil são os playoffs da NBA. A competição serve para mostrar que havia tempo para o país corrigir sua estratégia no combate à pandemia, reduzir as perdas humanas e acelerar o retorno da torcida às competições. Os americanos celebram a volta de uma rotina praticamente normal enquanto se aproxima a definição do próximo campeão da liga de basquete. No Brasil, nada indica de que haverá condições sanitárias para que torcedores celebrem no estádio o próximo vencedor do Brasileirão, com a última rodada marcada para dezembro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos