Mercado fechará em 5 h 2 min
  • BOVESPA

    101.428,55
    +664,95 (+0,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.546,30
    +251,47 (+0,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,82
    +0,25 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.821,20
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    20.775,70
    +18,69 (+0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    453,88
    +3,82 (+0,85%)
     
  • S&P500

    3.901,55
    +1,44 (+0,04%)
     
  • DOW JONES

    31.539,71
    +101,45 (+0,32%)
     
  • FTSE

    7.337,16
    +78,84 (+1,09%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    11.947,25
    -93,25 (-0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4819
    -0,0622 (-1,12%)
     

Arqueólogos voluntários encontram templo romano de 2.000 anos nos Países Baixos

Arqueólogos descobriram um santuário romano de 2.000 anos atrás nos Países Baixos, relativamente intacto, o que é considerado excepcional nesse tipo de achado. Quem identificou o lugar pela primeira vez foram voluntários de arqueologia em março de 2021, em uma cidade próxima ao Patrimônio Mundial da UNESCO, o Limes — ou seja, a fronteira do império romano, que atingiu seu tamanho máximo no século 2 d.C.

Segundo os cientistas, havia diversos templos no local, que abrigava restos de ídolos, relevos e gesso pintado. Já foram encontrados outros santuários romanos nos Países Baixos, mas este é o primeiro tempo e complexo completos do país. O local do achado foi Zevenaar, na província de Gelderland, no centro-leste do país.

Os templos e seus objetos

Pedras votivas inteiras e altares dedicados a diversos deuses e deusas cultuados à época foram encontrados no local, que, segundo a Agência do Patrimônio Cultural do país, foi utilizado por séculos. Todo o complexo abriga ruínas de pelo menos dois templos, identificados como sendo do século I ao IV d.C. Um deles, maior, fica no alto de uma colina. Outro, menor, fica a alguns metros do primeiro.

Os templos abrigam pedras e poços com restos de sacrifícios, além de fragmentos de esculturas em calcário, em uma preservação inédita até então. Especula-se que os locais eram utilizados primariamente por soldados, que provavelmente oravam, agradeciam e faziam oferendas aos deuses.

Dezenas de pedras votivas de fins ritualísticos foram erguidas por oficiais de alta patente do exército romano, o que é indicado por partes de arreios, restos de armaduras e pontas de lanças no local. Segundo a Agência do Patrimônio Cultural, o achado é altamente incomum nos Países Baixos, mas também é importante internacionalmente.

Certas pedras locais faziam homenagem a Hércules Magusanus, ser híbrido entre o Hércules romano e um herói mítico chamado Magusanus, adorado entre as tribos germânicas que ocupavam a área antes e durante a época romana. Objetos semelhantes também homenageiam deuses romanos como Júpiter Serapis e Mercúrio.

Entre outros achados dos arqueólogos, há resquícios de poços profundos onde os soldados romanos acendiam fogueiras de sacrifício, além de telhas com inscrições. A partir do dia 24 de junho deste ano, vários dos artefatos encontrados no complexo estarão sendo exibidos no Museu Valkhof, em Nijmegen.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos