Mercado fechará em 4 h 17 min
  • BOVESPA

    107.233,36
    -1.217,84 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.291,40
    -150,81 (-0,33%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,84
    -0,31 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.666,50
    -3,50 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    19.268,67
    -136,86 (-0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    440,80
    -5,18 (-1,16%)
     
  • S&P500

    3.646,15
    -72,89 (-1,96%)
     
  • DOW JONES

    29.268,88
    -414,86 (-1,40%)
     
  • FTSE

    6.872,99
    -132,40 (-1,89%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.221,00
    -334,75 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2743
    +0,0417 (+0,80%)
     

Arqueólogos encontram tesouro depois de 366 anos de naufrágio de navio

O tesouro de um galeão espanhol que naufragou em 1656 foi recuperado por uma equipe de conservacionistas e arqueólogos marítimos recentemente na costa das Bahamas. A embarcação era a Nuestra Señora de las Maravillas, de 891 toneladas, que navegava entre a Espanha e a Colômbia para coletar uma carga de prata quando colidiu com outro navio da frota por um erro de navegação.

O acidente fez com que o galeão encalhasse em um recife de corais a 70 quilômetros das ilhas Bahamas, levando ao óbito de 600 dos 650 tripulantes. Após 366 anos, o naufrágio espalhou seus restos por 13 quilômetros de solo marítimo. Como o navio era famoso pelo seu naufrágio, saqueadores atacaram o local diversas vezes, levando a maioria do tesouro afundado — cerca de 3,5 milhões de itens — entre 1656 e 1990.

Esforço conjunto

A organização Allen Exploration (AllenX), especializada em encontrar naufrágios históricos, aliou-se ao governo das Bahamas para recuperar e proteger o que restou da embarcação e sua carga. Expedições espanholas, inglesas, francesas, holandesas, baamianas e estadunidenses roubaram os itens do fundo do mar nos séculos XVII e XVIII. Outros saques ocorreram entre os anos 1970 e início dos 1990.

Nos últimos 2 anos, esforços foram direcionados para recuperar os itens afundados, que incluíram os restos do próprio navio: um lastro de pedra, prendedores de ferro que mantinham o casco no lugar e uma porca de asa feita de bronze que veio de um astrolábio (ferramenta de navegação antiga).

Além disso, havia itens usados pela tripulação, como jarros espanhóis, pratos chineses e mexicanos e itens pessoais, como uma empunhadura de espada feita de prata, um anel de pérola, garrafas de vinho e 4 pingentes usados por cavaleiros da Ordem de Santiago, uma ordem militar e religiosa espanhola e portuguesa do século XII.

Em um dos pingentes dourados, há uma grande esmeralda oval colombiana e uma dúzia de esmeraldas menores, que podem representar os doze apóstolos bíblicos, além de um emblema heráldico representando a Cruz de Santiago. Segundo os profissionais envolvidos, a sobrevivência desses itens e o fato de serem achados é um "milagre das Maravillas".

Fora estes achados, também foi encontrada parte da carga do navio em si, um estoque de moedas de prata e ouro, esmeraldas, ametistas e uma barra de prata de 34 quilos. O time da AllenX, agora, está examinando tudo que foi encontrado, desde as menores cerâmicas até as ametistas, juntando tudo que é possível saber sobre o naufrágio para compartilhar esse conhecimento com o mundo, segundo informações da organização.

Grande parte dos itens recuperados do galeão espanhol naufragado fará parte de uma coleção exibida permanentemente no novo Museu Marítimo das Bahamas, inaugurado na última segunda-feira (8).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: