Mercado fechará em 3 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    109.163,68
    +1.784,76 (+1,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.705,98
    +438,78 (+1,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,80
    +1,74 (+4,04%)
     
  • OURO

    1.800,50
    -37,30 (-2,03%)
     
  • BTC-USD

    19.286,42
    +834,46 (+4,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,37
    +11,62 (+3,14%)
     
  • S&P500

    3.617,28
    +39,69 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    29.955,47
    +364,20 (+1,23%)
     
  • FTSE

    6.412,32
    +78,48 (+1,24%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.972,25
    +67,00 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3907
    -0,0496 (-0,77%)
     

Morre 1º parlamentar brasileiro vítima da covid-19

Reuters
·Agência de notícias
·2 minuto de leitura
Aos 83 anos, senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ) morreu vítima de covid-19. (Photo: MAURO PIMENTEL via Getty Images)
Aos 83 anos, senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ) morreu vítima de covid-19. (Photo: MAURO PIMENTEL via Getty Images)

O senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ) morreu na noite de quarta-feira (21) vítima de covid-19, informou a conta dele no Twitter. Ele é o primeiro parlamentar brasileiro vítima da doença causada pelo novo coronavírus.

Em nota, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que “com profunda tristeza” recebeu a notícia da morte de Arolde por complicações decorrentes da covid.

“Infelizmente, mais um brasileiro perdeu a vida por consequência desse vírus que já ceifou mais de 150 mil pessoas do nosso País”, afirmou.

“O Senado Federal decreta luto oficial em homenagem à memória do senador, que exerceu diversas funções públicas ao longo dos mais de 35 anos de sua trajetória política”, completou.

Arolde elegeu-se em 2018 senador numa dobradinha eleitoral com Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), também eleito na ocasião para o Senado e filho do presidente Jair Bolsonaro. Ele era um defensor intransigente de Bolsonaro.

Em postagens no Twitter em abril, ainda no início da pandemia, o senador chegou a falar em “inutilidade do isolamento social”, preconizado por autoridades sanitárias e pela OMS (Organização Mundial de Saúde) para conter a disseminação do vírus, e defendeu o uso da cloroquina, medicamento sem eficácia comprovado contra a covid-19, em duas posições alinhadas às do presidente.

“Os números do vírus chinês no mundo e no Brasil demonstram a inutilidade do isolamento social. Autoridades, alarmistas por conveniência, destruíram o setor produtivo e criaram milhões de desempregados. O presidente @jairbolsonaro, isolado pelo STF, estava certo desde o início”, publicou ele em 19 de abril.

“Na medicina pode ser recomendável ter uma segunda opinião. O tratamento da covid-19 com cloroquina divide a opinião dos especialistas. Fico com a sugestão do uso do medicamento desde o início, como quer o presidente @jairbolsonaro, além do isolamento social seletivo”, defendeu ele no dia 10 de abril.

Natural de São Luiz Gonzaga, no Rio Grande do Sul, o senador tinha 83 anos e era um influente político evangélico, ex-militar e que teve uma longeva carreira parlamentar, tendo sido deputado federal constituinte.

O parlamentar havia sido internado no início do mês em um hospital no Rio de Janeiro após ter tido um teste positivo para covid-19, conforme informações da Agência Senado, citando a assessoria do senador. Na ocasião, foi dito que ele estava bem e que fora hospitalizado “por precaução”.

LEIA MAIS:

Senador pego com dinheiro na cueca pede licença do mandato

Bolsonaro desautoriza ministro e dispara: Brasileiros não serão cobaia de vacina

Este artigo apareceu originalmente no HuffPost Brasil e foi atualizado.