Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.016,96
    -242,79 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.245,86
    -461,86 (-1,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,55
    -1,30 (-3,26%)
     
  • OURO

    1.904,60
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    13.034,25
    -115,77 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,90
    -3,52 (-1,33%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.500,50
    -163,00 (-1,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6336
    -0,0303 (-0,45%)
     

Armazenamento holográfico: entenda a tecnologia que a Microsoft quer adotar

Felipe Ribeiro
·3 minutos de leitura

Por mais que o armazenamento holográfico seja uma tecnologia antiga, ela ainda está na cabeça e nos planos das gigantes da tecnologia. Prova disso é que a Microsoft pensa em utilizar essa técnica em seu sistema de armazenamento na nuvem, o que seria um enorme avanço no modo como guardamos arquivos. O projeto da gigante de Redmond chama-se HSD Project, com a sigla significando Holographic Storage Device, ou Dispositivo de Armazenamento Holográfico na tradução livre.

Para tal, um grupo de pesquisa foi formado em colaboração com a Microsoft Research Cambridge para resolver os principais problemas dos dispositivos contemporâneos de armazenamento em nuvem utilizando a técnica holográfica. A missão desses profissionais é entender como essa tecnologia antiga pode ajudar no trabalho na nuvem.

De acordo com o pesquisador sênior da Microsoft, Benn Thomsen, o paralelismo inerente do armazenamento óptico, combinado com os avanços recentes no campo, significa que o armazenamento holográfico de dados tem potencial de desbloquear uma nova era de inovação na nuvem. “Reimaginar o armazenamento holográfico para a nuvem, onde temos a liberdade de inovar e trazer ideias de outros domínios para tornar esta uma tecnologia viável, é muito empolgante”, afirmou Thomsen em entrevista ao ZDNet.

Uma das principais vantagens do armazenamento de dados holográficos em relação aos formatos convencionais de nuvem é que os hologramas podem ser apagados com luz ultravioleta, fazendo com que esses locais sejam infinitamente regraváveis. A Microsoft quer aproveitar essa propriedade para usar o armazenamento holográfico sempre que os dados são carregados, modificados e excluídos com frequência na nuvem. A empresa já está trabalhando separadamente para usar o vidro como meio de armazenamento de dados de arquivo.

(Imagem: Divulgação/ Microsoft)
(Imagem: Divulgação/ Microsoft)

Como funcionaria?

A técnica da Microsoft começa codificando uma página de dados em uma imagem 2D. Este é, então, transformado em um feixe por meio de um modulador de luz espacial, que é um dispositivo muito semelhante à tela de um smartphone convencional. Depois que a luz passa pela imagem, ela resulta em um feixe de dados que, junto com um feixe de referência, é direcionado a um cristal de sal especial conhecido como rede de niobato de lítio.

O grupo explica que um ingrediente chave para um melhor armazenamento holográfico é a chegada da tecnologia de câmeras de alta resolução da indústria de smartphones, que permitiu mover tarefas complexas, como a correspondência de pixels do hardware ótico para o software.

"Antigamente era necessário usar uma lente complexa para obter correspondência individual de pixels do dispositivo de exibição para a câmera e maximizar sua densidade. Hoje podemos alavancar câmeras de alta resolução comuns e técnicas modernas de deep learning para mudar a complexidade para o domínio digital. Isso nos permite usar lentes mais simples e baratas sem correspondência de pixel e compensar as distorções com hardware e software simples", disse o grupo ao ZDNet.

Essa interação entre os dois feixes produz um padrão de interferência exclusivo dentro do cristal, e vários padrões podem ser armazenados no mesmo volume, alterando o ângulo do feixe de referência. Para recuperar as informações armazenadas, o feixe de referência é novamente direcionado para a rede no mesmo ângulo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: