Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,49
    -0,43 (-0,66%)
     
  • OURO

    1.835,00
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    55.468,38
    -3.258,90 (-5,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.455,17
    -106,12 (-6,80%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.832,22
    -686,12 (-2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.200,25
    -156,50 (-1,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3581
    +0,0179 (+0,28%)
     

Arma de micro-ondas criada nos EUA é capaz de derrubar drones em pleno voo

Gustavo Minari
·3 minuto de leitura

Os engenheiros da startup americana Epirus criaram um equipamento que seria o sonho de consumo de muito jogador de Call of Duty e Counter-Strike. Chamado de Leonidas, o dispositivo é capaz de derrubar vários drones ao mesmo tempo usando um feixe de micro-ondas.

A arma futurista que é pequena e cabe na carroceria de uma caminhonete tem um poder de fogo impressionante. Ela emite feixes de micro-ondas de alta potência tão fortes que podem varrer um enxame de drones do céu em apenas alguns segundos.

Leonidas pode ser levado na carroceria de uma caminhonete (Imagem: Reprodução/Epirus)
Leonidas pode ser levado na carroceria de uma caminhonete (Imagem: Reprodução/Epirus)

“Nosso sistema nos permite alargar ou estreitar o feixe em qualquer direção para desativar os alvos inimigos em um piscar de olhos”, disse o CEO da Epirus, Leigh Madden.

Em uma demonstração para um cliente do governo dos EUA, que ocorreu no começo deste ano, o sistema conseguiu eliminar 66 alvos, muitos deles com uma única rajada de micro-ondas.

Demostração do poder de "fogo" do Leonidas (Imagem: Reprodução/Epirus)
Demostração do poder de "fogo" do Leonidas (Imagem: Reprodução/Epirus)

Tecnologia invisível

O Leonidas utiliza emissores de nitreto de gálio de estado sólido em uma abordagem muito parecida com a que encontramos em equipamentos de comunicação 5G. As ondas invisíveis geram um campo energético extremamente forte quando canalizadas em determinada direção.

Para direcionar esse “canhão” de micro-ondas são necessários dispositivos especiais que garantem a precisão dos feixes. “Se a arma se desviar do alvo, ela pode acabar danificando a infraestrutura de energia elétrica ou fritando os dispositivos eletrônicos das pessoas", explica o pesquisador Justin Bronk.

Versão mini

A Epirus também trabalha em uma versão menor chamada de Leonidas POD, mais versátil e parecida com um drone comum. O emissor de micro-ondas fica na parte inferior e pode ser controlado por radiofrequência a quilômetros de distância.

Leonidas POD - versão portátil do canhão de micro-ondas (Imagem: Reprodução/Epirus)
Leonidas POD - versão portátil do canhão de micro-ondas (Imagem: Reprodução/Epirus)

Mas não se engane com o tamanho e com a aparência de "brinquedo", porque o mini Leônidas é tão eficaz quanto seu irmão maior. Entre as várias qualidades destacadas no site da empresa está a alta capacidade em gerar níveis de calor intensos, capazes de desativar qualquer ameaça eletrônica.

Mercado restrito

O sistema Leonidas foi desenvolvido para uso militar no patrulhamento ostensivo de regiões sob ameaça real de invasão aérea. A capacidade de abater vários “inimigos” ao mesmo tempo usando armas não-letais facilitaria sua utilização em regiões habitadas.

Mas a Epirus afirma que os dispositivos também podem ser usados por civis. “A tecnologia promete proteger a infraestrutura militar e civil, por exemplo, defendendo aeroportos e estádios esportivos, além de conter ataques em massa de drones como o que desativou a instalação de processamento de petróleo Abqaiq, da Arábia Saudita, em 2019”, explica Leigh Madden.

Se considerar que os drones estão se multiplicando pelos céus de todo o planeta, talvez fosse interessante existir uma “patrulha antidrone” pronta para agir quando um deles quisesse voar por locais onde não deveria. O que você acha? Comente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: