Mercado fechará em 3 h 48 min
  • BOVESPA

    130.799,53
    +1.358,50 (+1,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.211,78
    -74,68 (-0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,48
    +0,57 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.866,20
    -13,40 (-0,71%)
     
  • BTC-USD

    40.444,27
    +4.366,01 (+12,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.010,68
    +41,84 (+4,32%)
     
  • S&P500

    4.238,29
    -9,15 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    34.259,10
    -220,50 (-0,64%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.037,00
    +42,75 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1350
    -0,0576 (-0,93%)
     

Argentina suspende exportações de carne por 30 dias por temores de inflação

·2 minuto de leitura
Trabalhadores em unidade na Argentina

Por Jorge Otaola

BUENOS AIRES (Reuters) - A Argentina anunciou uma suspensão por 30 dias das exportações de carnes, em meio a preços em alta que geraram no governo preocupação com a perda de controle da inflação antes de eleições para o Congresso no final do ano.

O governo disse na segunda-feira que vai implementar a medida emergencial devido ao "sustentado aumento no preço da carne bovina no mercado doméstico", confirmando informação antecipada à Reuters por fontes da administração federal e da indústria mais cedo.

O governo acrescentou que durante a suspensão de 30 dias serão implementadas outras medidas para melhorar a regulação das exportações de carnes. O veto às exportações pode eventualmente ser reduzido para período menor se outras medidas tiverem sucesso em reduzir preços.

"As exportações foram fechadas. Amanhã vamos continuar negociando com o governo", disse uma fonte do setor de carnes da Argentina ligada à associação de exportadores ABC, acrescentando avaliar que a medida é um erro mesmo em meio ao cenário de alta de preços.

Após o anúncio da medida, a brasileira Marfrig, líder global em produção de carne bovina, disse que suas operações na Argentina representaram 3,2% da receita líquida consolidada no primeiro trimestre.

"Assim sendo, o impacto direto desta restrição se limita a 1,3% da receita líquida consolidada, representada pelas exportações argentinas no período", afirmou a companhia em comunicado ao mercado, nesta terça-feira.

A Minerva, com atuação em outros países da América do Sul além da Argentina, tem a opção de compensar suas vendas a partir da produção em outras nações. Procurada, a empresa não comentou.

Nos últimos anos, a Argentina vinha ampliando as exportações de carne, especialmente para a China, ajudando a impulsionar o setor, mas também gerando temores de que os embarques em alta pudessem pressionar os preços domésticos.

O governo peronista do país busca defender sua forte posição no Congresso nas eleições no final do ano e aumentar sua popularidade com os eleitores, atingida pela pandemia de coronavírus.

A Argentina é a sexta maior produtora global de carne bovina e foi em 2020 o quinto maior exportador, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.