Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.893,32
    -1.682,15 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.778,87
    +104,57 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,17
    -0,17 (-0,37%)
     
  • OURO

    1.780,60
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.542,37
    +133,36 (+0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,09
    +17,50 (+4,80%)
     
  • S&P500

    3.621,63
    -16,72 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    29.638,64
    -271,73 (-0,91%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.433,62
    -211,09 (-0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.320,25
    +43,25 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3612
    -0,0134 (-0,21%)
     

Argentina propõe projeto para dar controle sobre dívida externa e acordos com FMI ao Congresso

Por Eliana Raszewski
·1 minuto de leitura
.
.

Por Eliana Raszewski

BUENOS AIRES (Reuters) - O Ministério da Economia da Argentina disse nesta segunda-feira que enviará ao Congresso um projeto de lei que estabeleceria o Poder Legislativo como o aprovador final de acordos com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e emissões de nova dívida externa.

O país sul-americano emergiu recentemente de um default soberano após reestruturar quase 110 bilhões de dólares em títulos denominados em moeda estrangeira, e enfrenta negociações a partir deste mês com o FMI sobre um acordo para substituir uma ferramenta falida de 57 bilhões de dólares.

"Achamos que seria saudável se as decisões de tomar empréstimos em moeda estrangeira tivessem a aprovação do Congresso", disse o ministro da Economia argentino, Martín Guzmán, em um comunicado. "Isso tem a ver com transformar a sustentabilidade da dívida em política estatal."

O projeto de lei significaria que nenhum acordo com o FMI poderia prosseguir sem o apoio do Congresso, nem poderia o governo emitir dívida externa sem o apoio dos parlamentares.

Uma missão do FMI deve chegar ao país na terça-feira para iniciar negociações formais sobre a substituição de um acordo de 2018, que já teve cerca de 44 bilhões de dólares desembolsados.

"A intenção é substituir o programa atual por um novo baseado em princípios completamente diferentes, entendendo que não há restauração da estabilidade macroeconômica sem a retomada do crescimento econômico", disse Guzmán.