Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,09
    -0,54 (-0,82%)
     
  • OURO

    1.784,70
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    56.788,75
    +2.807,18 (+5,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.458,10
    +52,79 (+3,76%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    29.115,36
    +302,73 (+1,05%)
     
  • NASDAQ

    13.503,25
    +12,25 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4271
    +0,0002 (+0,00%)
     

Argentina, primeiro país da América Latina que produzirá vacina russa Sputnik V

·2 minuto de leitura
Funcionário da saúde com dose da vacina Sputnik V contra a covid-19, em Buenos Aires, em fevereiro de 2021

A Argentina será o primeiro país da América Latina a produzir a vacina Sputnik V contra a covid-19, anunciou nesta terça-feira (20), em Moscou, o fundo soberano de investimentos da Federação Russa, após um acordo com o laboratório argentino Richmond.

O Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) e seus parceiros "facilitaram a transferência de tecnologia para os Laboratórios Richmond" na Argentina, informou um comunicado, especificando que "a produção em larga escala começará em junho".

"Hoje temos o prazer de anunciar que a Argentina se tornou o primeiro país da região a lançar a produção do Sputnik V graças à aliança entre RDIF e Laboratórios Richmond", anunciou Kirill Dmitriev, diretor executivo da RDIF.

Conforme detalhado, a Sputnik V está aprovada em mais de 10 países da América Latina e América Central, "e a produção na Argentina ajudará a facilitar as entregas para outros parceiros da região".

A farmacêutica privada do país sul-americano já produziu um primeiro lote de 21 mil doses que levou para controle de qualidade ao Centro Gamaleya, instituto russo de pesquisas em epidemiologia e microbiologia que produziu a vacina.

Marcelo Figueiras, presidente dos Laboratórios Richmond, comemorou "o reconhecimento" pela escolha da empresa, com base em sua "plataforma científica e técnica".

O laboratório argentino começará em junho com a produção de um milhão de doses por mês durante um ano até que seja concluída a construção de uma nova fábrica, onde se propõe chegar a 5 milhões de doses mensais.

O presidente Alberto Fernández considerou que o acordo representa "uma grande oportunidade para avançar no combate à pandemia não só na Argentina, mas também na América Latina".

O laboratório contou com o apoio técnico e financeiro do Ministério de Desenvolvimento Produtivo da Argentina, que lhe concedeu um empréstimo de quase 30 milhões de pesos (cerca de US$ 300 mil) e prestará assistência financeira por mais 13 milhões de pesos, informou uma fonte da pasta.

Em 23 de dezembro de 2020, a Argentina foi o primeiro país da América Latina a registrar e aprovar a Sputnik V, um dia antes de receber a primeira remessa com 300 mil doses, algo que permitiu iniciar o processo de vacinação no país no dia 29 de dezembro.

Atualmente, o imunizante russo já foi registrado em 60 países. Sua eficácia é de 97,6%, de acordo com a taxa de infecção por coronavírus entre os vacinados na Rússia com as duas doses de componentes diferentes, entre 5 de dezembro de 2020 e 31 de março de 2021, informou o comunicado.

A Argentina recebeu quase oito milhões de doses até o momento, das quais quase 4,8 milhões são da vacina de origem russa.

Possui ainda vacinas chinesa Sinopharm e da anglo-sueca AstraZeneca.

Cerca de 5,6 milhões de argentinos já foram vacinados. Entre eles, mais de 800.000 receberam as duas doses, diante de um momento em que a Argentina enfrenta um crescimento exponencial de casos.

ls/nn/mls/bn/mvv