Mercado fechará em 5 h 5 min
  • BOVESPA

    101.607,37
    +843,77 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.539,61
    +244,78 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,17
    +0,60 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.820,70
    -4,10 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    20.775,18
    -0,06 (-0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    453,12
    +3,06 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.897,19
    -2,92 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    31.503,72
    +65,46 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.340,82
    +82,50 (+1,14%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    11.975,00
    -65,50 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4837
    -0,0604 (-1,09%)
     

Argentina pode tentar novamente controlar agroexportadora Vicentin

BUENOS AIRES (Reuters) - A Argentina, uma das maiores exportadores de alimentos do mundo, pode tentar intervir na agroexportadora Vicentin, que está em crise e com uma ampla dívida com o Estado, disse neste domingo o presidente argentino, Alberto Fernández, em entrevista a um jornal local.

Preocupado com a alta inflação, o governo de centro-esquerda de Fernández havia tentado em 2020 tomar o controle da empresa, atualmente em processo de falência, para participar da fixação de preços locais dos alimentos, o que gerou uma forte rejeição do setor agrícola.

Antes de entrar em crise, a Vicentin era uma das principais empresas agroexportadores da Argentina.

“Agora há um novo cenário na Vicentin, que não tínhamos em 2020, e existe a possibilidade de uma intervenção que naquele momento descartei”, disse Fernández, em entrevista ao jornal Página 12.

O Banco Nación, controlado pelo Estado argentino, é um dos principais credores da empresa. Segundo a imprensa local, a dívida da Vicentin com a entidade financeira seria de 300 milhões de dólares.

“Sobre alimentos, precisamos fazer alguma coisa que nos permita de alguma maneira intervir e colocar as coisas em ordem”, disse Fernández, no momento em que a Argentina sofre com uma inflação que pode superar os 70% este ano, segundo estimativas de analistas.

(Reportagem de Nicolás Misculin)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos