Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,64
    +0,36 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.844,80
    +14,60 (+0,79%)
     
  • BTC-USD

    19.441,26
    +492,36 (+2,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,08
    +7,67 (+2,05%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.488,25
    +34,00 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2360
    -0,0838 (-1,33%)
     

Argentina pode solicitar novos recursos do FMI em meio a renegociações de crédito

·1 minuto de leitura
Casa Rosada, em Buenos Aires
Casa Rosada, em Buenos Aires

BUENOS AIRES (Reuters) - A Argentina pode solicitar recursos adicionais ao Fundo Monetário Internacional (FMI) no âmbito das negociações que o país está tratando com o órgão para renegociar um acordo de 2018, informou uma autoridade argentina nesta terça-feira.

Sergio Chodos, o representante do país no FMI, disse em entrevista à Rádio La Red de Washington que o governo poderia concordar em receber um novo montante, embora ele tenha descartado que seja por uma quantia "exorbitante".

A Argentina e o FMI estão renegociando um empréstimo concedido pela Fundo em 2018, sob o qual o país já recebeu cerca de 44 bilhões de dólares. O novo acordo "é absolutamente necessário" que esteja estabelecido antes de julho de 2021, explicou Chodos.

"É verdade que podem haver necessidades um pouco maiores, que poderiam chegar a ocorrer. Mas não consigo imaginar algo que seja muito exorbitante em comparação a antes. A intenção é sair, não voltar a entrar", acrescentou a autoridade.

No último mês, o peso argentino sofreu uma profunda depreciação no mercado paralelo devido às incertezas econômicas que cercam o país, o que ampliou a defasagem com a cotação da moeda no mercado oficial <ARS=RASL> e aumentou a pressão de desvalorização.

No mercado, especulava-se que o país poderia receber do Fundo um montante entre 3 bilhões e 5 bilhões de dólares para recuperar a confiança dos investidores.

A vinda de novos recursos "pode gerar alguma confiança no mercado, já que se encontra aguardando sinais de um programa econômico e preferencialmente ortodoxo para poder fazer frente à forte crise que atravessa o país", disse Joaquín Candia, analista da Rava Stock Market.

(Por Eliana Raszewski e Jorge Otaola)