Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.885,79
    -762,53 (-1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Argentina paga US$ 1,9 bi ao FMI em meio à crise política

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Argentina transferiu US$ 1,88 bilhão ao Fundo Monetário Internacional na quarta-feira, cumprindo o primeiro pagamento do principal do pacote de resgate recorde em meio à crise política após a derrota do governo nas eleições primárias da semana passada.

Most Read from Bloomberg

Três pessoas a par do assunto confirmaram a informação à Bloomberg News, pedindo para não serem identificadas, pois o pagamento ainda não foi oficializado pelo governo. O valor devido é referente ao resgate recorde de US$ 45 bilhões do FMI 2018 ao governo anterior da Argentina em uma fracassada tentativa de estabilizar a economia marcada por crises.

O banco central da Argentina pagou o vencimento com direitos especiais de saque recebidos pelo país no mês passado, disseram duas pessoas. O FMI emitiu os fundos extras para ajudar os países a aliviarem o impacto da pandemia. A Argentina recebeu cerca de US$ 4,3 bilhões sob esse acordo.

O compromisso da Argentina de reembolsar o FMI é foco das atenções depois da derrota da coalizão do presidente Alberto Fernández nas primárias em 12 de setembro, expondo um racha com a vice-presidente, Cristina Kirchner, que comanda uma ala mais radical do governo. O país, que tem eleições de meio de mandato em 14 de novembro, precisa reembolsar US$ 2 bilhões adicionais ao Fundo antes do final do ano.

Com a Argentina excluída dos mercados de dívida internacionais, chegar a um acordo com o FMI para reprogramar os próximos pagamentos será crucial para Fernández evitar US$ 19 bilhões em vencimentos no próximo ano. Embora tenha dito que o orçamento do país em 2022 prevê que um acordo será alcançado, a necessidade de recuperar terreno político provavelmente levará a mais gastos do governo, desafiando compromissos fiscais.

Uma porta-voz do FMI não comentou de imediato.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos