Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.047,21
    +1.481,68 (+3,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Argentina mira Bunge e outras empresas em investigação sobre aumento de preços

·2 minuto de leitura
Prateleiras com óleo de soja em supermercado em Buenos Aires, Argentina

BUENOS AIRES (Reuters) - A Argentina está investigando empresas de bens de consumo incluindo Danone, Procter & Gamble e Unilever, além de produtores de alimentos como a Bunge, sob acusações de que elas terem deliberadamente reduzido a produção, em meio a medidas do governo para conter o aumento de preços.

O ministério da produção do país, em um comunicado, alegou que essas e outras empresas estariam "retendo os volumes de produção" e não teriam seguido uma resolução que determinou aumento da produção ao "nível mais alto de sua capacidade instalada".

O governo disse que uma investigação encontrou escassez em supermercados de produtos que variam de óleo de cozinha a fraldas e queijos, e que as empresas sob investigação devem corrigir a situação e restaurar os níveis de estoque.

As empresas não responderam imediatamente aos pedidos de comentários por e-mail.

Daniel Funes de Rioja, chefe da Câmara da Indústria de Alimentos Copal, rejeitou as acusações e disse à imprensa que a indústria seguiu em frente apesar dos altos custos e congelamento de preços.

As empresas abasteceram o mercado "durante toda a pandemia, apesar dos trabalhadores doentes, problemas logísticos, greves dos petroleiros, bloqueio de caminhoneiros de 15 dias, feriados, férias de pessoal e paralisação de fábricas para manutenção", disse Funes de Rioja.

Mas o ministro da Produção, Matías Kulfas, disse que o governo detectou "alguns produtos faltando nos supermercados" e atribuiu isso a um problema de abastecimento pelos grandes produtores industriais.

O governo da nação sul-americana, sob uma administração de orientação à esquerda, tem tentado proteger os consumidores de aumentos dos preços e buscado controlar uma inflação galopante, prevista em uma pesquisa do banco central em 50% este ano.

O governo do presidente argentino Alberto Fernandez entrou em confronto com algumas empresas e investidores sobre o teto de preços de alguns produtos e o congelamento de tarifas de serviços públicos.

Na quarta-feira, os detentores da dívida soberana da Argentina criticaram tais políticas como medidas de curto prazo e condenadas ao fracasso.

O ministério da produção disse que as leis de teto de preço visam proteger os consumidores de "possíveis abusos de preços e garantir o abastecimento normal de produtos nos supermercados".

Temores recentes sobre o ressurgimento da inflação geraram tensão entre o governo argentino e o grande setor agrícola do país, com a tensão aliviada após promessas de exportadores e produtores de ajudar a manter os preços domésticos baixos.

(Por Walter Bianchi; reportagem adicional de Agustin Geis)