Mercado fechará em 2 h 39 min
  • BOVESPA

    111.614,59
    +704,98 (+0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.340,00
    +165,94 (+0,33%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,30
    +2,10 (+2,69%)
     
  • OURO

    1.766,90
    +3,20 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    16.884,89
    +511,09 (+3,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,85
    +0,15 (+0,04%)
     
  • S&P500

    3.952,89
    -4,74 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    33.703,57
    -148,96 (-0,44%)
     
  • FTSE

    7.585,58
    +73,58 (+0,98%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.546,50
    +21,75 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4295
    -0,0271 (-0,50%)
     

Argentina leva erva-mate produzida no Brasil para Copa e irrita torcida

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Às vésperas da Copa do Mundo, até a escolha de uma erva-mate é capaz de mexer com os ânimos na Argentina e acirrar a rivalidade com países vizinhos.

A polêmica em questão começou no início do mês, com a divulgação de uma imagem nas redes sociais. Nela, há uma caixa de mercadorias que a delegação argentina decidiu levar para o mundial do Qatar.

O que chamou a atenção foi a presença de pelo menos dez pacotes da erva-mate Canarias, marca tradicional do mercado do Uruguai.

Rapidamente, parte dos argentinos passou a questionar a escolha com o argumento de que o produto não tem uma ligação direta com o país de Lionel Messi.

O curioso é que, apesar de a Canarias ser uma marca consolidada entre os uruguaios, a produção é feita na região Sul do Brasil.

A fabricante responsável é a gaúcha Baldo, do município de Encantado (a 140 km de Porto Alegre).

Nos últimos meses, a cidade de 23 mil habitantes ganhou holofotes com a construção de um Cristo Protetor maior do que a famosa estátua carioca do Cristo Redentor.

A Baldo tornou-se sócia majoritária da Canarias em 1998, segundo informações disponíveis no site da empresa, que optou por não comentar a situação inusitada envolvendo a seleção argentina.

A fabricante também possui unidades produtivas em Santa Catarina e no Paraná, além de uma estrutura no Uruguai, onde é feita a distribuição das mercadorias da marca.

O país vizinho é dependente da importação da erva para mate –ou chimarrão, como é chamada a bebida no Sul do Brasil.

O alvoroço com a escolha da delegação argentina envolveu produtores e até políticos locais. O ex-deputado Luis Mario Pastori usou as redes sociais para reclamar.

"Insólito e inexplicável. Existem dezenas de marcas de erva-mate muito boas na Argentina, produzidas em Misiones e Corrientes. No entanto, a seleção leva ao Qatar uma marca uruguaia. Há alguma explicação oficial? É quase uma provocação", disse.

Coube a um assessor de comunicação da AFA (Associação do Futebol Argentino) a tarefa de tentar tranquilizar os ânimos.

Ele postou nas redes sociais uma foto de uma caixa com pacotes da erva-mate Playadito, da Argentina, que também acompanharia a seleção na Copa.

"Tem para todos os gostos, não se alterem, rapazes", escreveu na legenda da imagem.

Para os uruguaios, a Canarias "é como religião", afirma Pedro Schwengber, em referência ao fato de a marca ser tradicional no mercado do país.

Schwengber é diretor-executivo do Instituto Escola do Chimarrão, no município gaúcho de Venâncio Aires (a 130 km de Porto Alegre). A entidade, criada em 2004, busca estimular a cultura da bebida.

Conforme Schwengber, as características apreciadas da erva-mate mudam de acordo com a região. No Sul do Brasil, a produção para consumo costuma ser mais rápida, o que garante uma coloração mais esverdeada. "A orientação que a gente dá é para que o consumo siga a data de fabricação. Quanto mais nova, melhor", diz.

Já no Uruguai e na Argentina, o produto costuma ser consumido após um processo mais lento até a saída das empresas. O período prolongado garante uma coloração mais amarelada para a erva, e não tão esverdeada, além de um sabor mais amargo para o mate, indica Schwengber.