Mercado abrirá em 9 h 44 min
  • BOVESPA

    108.714,55
    +2.418,37 (+2,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.833,80
    -55,86 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,59
    -0,17 (-0,20%)
     
  • OURO

    1.807,20
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    62.699,11
    +1.011,43 (+1,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.506,64
    +1.263,96 (+520,84%)
     
  • S&P500

    4.566,48
    +21,58 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.741,15
    +64,13 (+0,18%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.070,45
    -61,58 (-0,24%)
     
  • NIKKEI

    29.118,70
    +518,29 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.563,00
    +67,25 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4330
    -0,0033 (-0,05%)
     

Argentina fecha acordo de preços em tentativa de conter inflação

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Barraca de frutas e legumes em Tigre, Argentina (AFP/RONALDO SCHEMIDT)

O governo argentino fechou um acordo com empresários para manter por 90 dias os preços de mais de mil produtos básicos da cesta familiar, em uma tentativa de conter a inflação, uma das mais altas do mundo, que acumula 37% em 2021.

“Esses 1.247 produtos com preços congelados serão uma âncora para a inflação”, afirmou nesta quinta-feira o secretário de Comércio Interior, Roberto Feletti. Segundo o acordo, os preços desses produtos, correspondentes a alimentação e limpeza, devem recuar até 1º de outubro e permanecer inalterados até 7 de janeiro.

“O fundamental é frear a inflação e garantir um trimestre de muito consumo", declarou Feletti à rádio El Uncover. O Instituto Nacional de Estatísticas divulgou nesta quinta-feira que o índice de inflação em setembro foi de 3,5%, o que elevou a taxa interanual para 52,5%.

A inflação é um problema persistente na Argentina, que registra taxas anuais de dois dígitos há duas décadas. O acordo de preços amplia e reforça o programa “Preços Cuidados", lançado em 2014 para estabelecer valores de referência de 500 produtos básicos da cesta familiar, como instrumento de combate à inflação.

O novo pacto de preços foi aprovado no âmbito de protestos de organizações sociais, que exigem mais assistência e subsídios alimentares devido à crise econômica, que mantém 40% da população na pobreza.

Semanas atrás, o governo decidiu aumentar em 16% o salário mínimo, para elevá-lo a 33.000 pesos mensais (US$ 317), menos da metade do valor da cesta básica de uma família típica, segundo o Indec. Também anunciou o pagamento, a partir de outubro, de um complemento que beneficiará quase 2 milhões de assalariados registrados.

A Argentina irá realizar eleições legislativas em 14 de novembro, nas quais o governo tentará manter a maioria no Senado, faltando dois anos para o fim de seu mandato.

sa/nn/mr/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos