Mercado fechará em 1 h 50 min
  • BOVESPA

    95.500,63
    +131,88 (+0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.949,10
    -444,61 (-1,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,77
    -1,62 (-4,33%)
     
  • OURO

    1.869,30
    -9,90 (-0,53%)
     
  • BTC-USD

    13.521,03
    +365,67 (+2,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,91
    +23,23 (+9,57%)
     
  • S&P500

    3.295,44
    +24,41 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    26.538,82
    +18,87 (+0,07%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.321,00
    +188,25 (+1,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7274
    -0,0070 (-0,10%)
     

Argentina estuda corte temporário de impostos de exportações

Jorgelina do Rosario e Jonathan Gilbert
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- O governo argentino avalia o corte temporário de alguns impostos de exportação para impulsionar a entrada de dólares, diante da queda das reservas internacionais para o menor nível em três anos, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

Autoridades ainda discutem quais produtos seriam incluídos na medida, o percentual de redução do imposto e como seria aplicado, disse uma das pessoas, que pediu para não ser identificada. As medidas poderiam ser anunciadas para a soja na quarta-feira para serem aplicadas em outubro, disse outra pessoa.

Um porta-voz do Ministério da Economia não respondeu a um pedido de comentário.

As exportações de soja são vistas como elemento-chave nos esforços para sustentar o peso, a moeda com pior desempenho do mundo nos últimos cinco anos com base no retorno à vista. Em 2019, por exemplo, os embarques de soja somaram US$ 17,9 bilhões, ou 27% das vendas totais da Argentina ao exterior.

Agricultores da Argentina têm evitado vender soja para exportadores porque a taxa de câmbio oficial está sobrevalorizada. Até 16 de setembro, ainda não haviam vendido ou precificado contratos para 52% da colheita encerrada em junho. Os preços da soja e do farelo subiram muito nas últimas semanas, então há uma oportunidade de trazer mais dólares com exportações.

O país aumentou os controles de capital em 15 de setembro na tentativa de segurar dólares enquanto as reservas diminuem. A medida não surtiu efeito, pois as reservas continuaram a cair. A diferença entre as taxas de câmbio oficial e paralela do país aumentou diante da corrida dos argentinos por dólares para preservar o valor de suas economias.

As reservas líquidas estimadas são de US$ 4,6 bilhões, de acordo com a Portfolio Personal Inversiones.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.