Mercado fechará em 1 h 1 min
  • BOVESPA

    123.820,93
    +2.020,14 (+1,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.043,03
    +174,71 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,17
    -2,78 (-3,76%)
     
  • OURO

    1.813,80
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    39.679,25
    -1.363,82 (-3,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    971,69
    +10,79 (+1,12%)
     
  • S&P500

    4.399,95
    +4,69 (+0,11%)
     
  • DOW JONES

    34.940,36
    +4,89 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    14.994,50
    +38,75 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1186
    -0,0694 (-1,12%)
     

Argentina e FMI avançam nas negociações para novo programa de crédito

·2 minuto de leitura
A diretora do FMI, Kristalina Georgieva, e o ministro da Economia argentino, Martín Guzmán, se reúnem paralelamente a uma cúpula do G20 em Veneza em 10 de julho de 2021

O ministro da Economia argentino, Martín Guzmán, e uma missão do Fundo Monetário Internacional, chefiada por Julie Kozack, avançaram esta semana nas discussões para conseguir um novo programa de crédito, em encontros paralelos à reunião do G20 em Veneza, segundo fontes das duas partes.

“As reuniões das equipes técnicas proporcionaram avanços e entendimentos sobre temas fundamentais do programa econômico do governo. (...) Em particular, avançaram-se concretamente nos entendimentos sobre as políticas de desenvolvimento do mercado de capitais nacional, a administração tributária e o desenvolvimento dos setores geradores de divisas", disse o Ministério da Economia argentino em comunicado nesta terça-feira.

O FMI, por sua vez, qualificou como "produtivas" as reuniões realizadas entre 8 e 12 de julho e observou que "as discussões se concentraram em políticas para fortalecer a recuperação, a estabilidade econômica e a criação de empregos".

“Nosso objetivo é apoiar a Argentina no enfrentamento de seus desafios econômicos e de balanço de pagamentos de forma duradoura”, reiterou o organismo multilateral em comunicado.

A Argentina busca um novo programa de crédito com o FMI para substituir o assinado em 2018, pelo então presidente Mauricio Macri (liberal), e cuja reta final seu sucessor Alberto Fernández renunciou ao assumir o cargo em dezembro de 2019. O acordo foi de um total de 57 bilhões de dólares, mas o país recebeu cerca de 44 bilhões de dólares.

Neste ano, a Argentina pagou ao FMI 300 milhões de dólares em juros de sua dívida em fevereiro e outros 300 milhões em maio. Ainda estão pendentes juros de 350 milhões de dólares em agosto e 400 milhões em novembro. Também há vencimentos de capital de 1,9 bilhão de dólares em setembro e 1,9 bilhão a mais em dezembro.

Além desses valores, a Argentina enfrenta vencimentos com o FMI de quase 40 bilhões de dólares entre 2022 e 2023, cifra inacessível para este país que atravessa seu terceiro ano de recessão e está excluído do mercado de capitais em meio a pandemia do coronavírus.

nn/mr/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos