Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.079,10
    -481,05 (-0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Argentina e Brasil desenvolverão vacinas de mRNA contra a covid-19

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Homem recebe vacina anticovid-19 da Moderna, no South Bronx Educational Campus, em Nova York, em 10 jan. 2021 (AFP/Kena Betancur)

Centros na Argentina e no Brasil irão desenvolver e fabricar vacinas anticovid com tecnologia de RNA mensageiro para a América Latina e o Caribe, anunciou nesta terça-feira (21) a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), que busca reduzir a dependência da região de insumos importados.

“Estamos apostando que esses dois centros contribuirão de forma proativa para a transferência de conhecimento e tecnologia na região”, disse o subdiretor da Opas, Jarbas Barbosa, ao informar sobre a iniciativa em uma videoconferência.

No Brasil, foi selecionado o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), que faz parte da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde, para desenvolver e fabricar os princípios ativos da vacina.

E na Argentina, foi escolhida a Sinergium Biotech, empresa biofarmacêutica privada que fará parceria com a mAbxience, do mesmo grupo.

Um grupo de especialistas independentes escolheu os dois centros entre os 30 interessados em participar de uma plataforma regional lançada em agosto pela Opas.

Com isso, explicou Barbosa, o escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) visa expandir as capacidades produtivas e fortalecer uma cadeia de valor na região para aumentar o acesso e a independência tecnológica nas Américas com relação a vacinas, medicamentos e suprimentos médicos, especialmente em emergências de saúde pública, como a pandemia de covid-19.

“Cada região deve ter capacidade de fabricação de vacinas”, enfatizou Soumya Swaminathan, cientista-chefe da OMS, na apresentação com Barbosa, realizada durante a 59ª reunião do Conselho Diretor da Opas que acontece em formato virtual até sexta-feira.

Swaminathan destacou as vantagens da tecnologia do ácido ribonucleico mensageiro (mRNA), a mesma utilizada na vacina dos laboratórios Pfizer e BioNTech, alemão e americano respectivamente, e no imunizante da empresa americana de biotecnologia Moderna.

"Em comparação com outras, a tecnologia de mRNA provou ser muito bem-sucedida para as vacinas contra covid-19 e é altamente adaptável, não apenas contra variantes do vírus, mas também contra outros patógenos", disse.

A especialista destacou que já estão em andamento trabalhos para utilizar essa tecnologia em vacinas contra malária e tuberculose e para a produção de anticorpos monoclonais.

Ao contrário da injeção do vírus atenuado ou inativado, as vacinas de mRNA instruem as células a gerar uma proteína que desencadeia uma resposta imunológica à infecção.

Barbosa afirmou que, uma vez obtida esta vacina regional de mRNA contra a covid-19, os dois centros se comprometeram a solicitar o sinal verde da Opas para seu uso, o que permitirá que seja oferecida aos países por meio do Fundo Rotativo da instituição.

“Temos um trabalho árduo pela frente. Mas somos movidos pela convicção de que a recompensa será uma contribuição para o acesso oportuno e equitativo às vacinas para nossa região, que continua a ser a mais atingida por esta pandemia”, declarou.

ad/dl/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos