Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,53
    +0,17 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.783,80
    -1,70 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    50.396,17
    -351,74 (-0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.319,07
    +13,95 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.860,66
    +0,04 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    16.379,00
    -13,25 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2769
    +0,0028 (+0,04%)
     

Argentina cria conta bancária exclusiva para turista não trocar dólar no mercado clandestino

·2 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mão segurando cédulas de dólar, moeda oficial americana. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mão segurando cédulas de dólar, moeda oficial americana. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - De olho na volta do turismo internacional, o governo argentino lançou uma medida para que a moeda estrangeira trazida pelos visitantes não vá parar no famoso mercado clandestino.

A Argentina vai abrir as fronteiras para estrangeiros na próxima segunda-feira (1º).

Os turistas costumam preferir o mercado clandestino porque há uma diferença de quase 100% entre o valor do dólar oficial (98,7 pesos) e o chamado dólar blue ou paralelo (194 pesos). Para quem vem de fora com dólares ou reais, é mais negócio trocar dinheiro no mercado ilegal, que funciona em casas de câmbio clandestinas ou opera com os chamados "arbolitos", vendedores que fazem entregas pessoalmente e são muito acessíveis aos turistas.

Com essa diferença entre os dois câmbios, gastos em cartão de crédito ficam inviabilizados, ainda mais com as taxas cobradas em operações desse tipo.

A medida do governo permitirá que turistas abram contas bimonetárias temporárias, podendo trocar seu dinheiro por um valor entre o oficial e o paralelo, em que um dólar equivaleria ao dólar MEP (ou do mercado de capitais), que atualmente está em 180 pesos --neste valor, porém, o blue continuará sendo mais vantajoso.

A conta dará direito a um cartão de débito para ser usado em lojas e restaurantes ou para saques em pesos argentino nos caixas eletrônicos. Essa conta, porém, terá de ser aberta exclusivamente por pessoas que residam no exterior e terá de estar vinculada à conta bancária do usuário em seu país de origem.

Será possível fazer transferência do banco em que o turista tem conta em seu país para o banco na Argentina e, assim, carregar o cartão. O visitante poderá ter no máximo US$ 5.000 nessa conta, que não poderá ter nenhum recurso de investimento.

A operação será temporária, e a conta só poderá ser usada durante a viagem do turista. No fim, se ficar um resíduo na conta argentina, o valor será transferido à conta de origem do usuário, em seu país.

A conta argentina poderá ser aberta antes da chegada, mas para ter acesso ao cartão, o turista terá de marcar um horário no banco para retirá-lo.

Segundo o comunicado do Banco Central argentino, a ideia é também a de evitar que as pessoas andem com muito dinheiro no bolso, correndo o risco de serem assaltadas. Além disso, a medida responde a uma falta de notas que vem se transformando em um problema crônico no país por conta da alta inflação, que já chega aos 48%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos