Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,74
    +0,54 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.763,00
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    16.487,07
    +321,68 (+1,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    390,19
    +1,47 (+0,38%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    27.870,84
    -157,00 (-0,56%)
     
  • NASDAQ

    11.513,75
    -11,00 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4622
    +0,0056 (+0,10%)
     

Argentina congelará preços de 1.500 bens de consumo em meio a inflação galopante

Vendedor pesa produtos em mercado de Buenos Aires

Por Nicolás Misculin

BUENOS AIRES (Reuters) - O governo argentino anunciou nesta sexta-feira um acordo com supermercados e fornecedores de bens de consumo de massa para congelar ou regular os preços de cerca de 1.500 produtos, na tentativa de conter uma inflação que deve chegar a 100% este ano.

O governo peronista de centro-esquerda está lutando contra uma queda na popularidade e protestos de rua, enquanto os preços em espiral minam o poder de compra dos consumidores, mesmo conforme um déficit acentuado e reservas em moeda estrangeira cada vez menores criam riscos para a economia.

O Ministério da Economia disse em um decreto formal que um novo programa de "Preços Justos", abrangendo bens de consumo de alimentos e bebidas a produtos de limpeza, ajudará a "estabilizar os preços dos produtos em favor do consumidor".

Alguns itens terão alta de 4% antes de entrarem no esquema de congelamento de preços por quatro meses, enquanto outros iniciarão o programa nos valores atuais, mas poderão aumentar em até 4% ao mês.

Antes das eleições do próximo ano, a insatisfação tem começado a crescer, com os níveis de pobreza perto de 40%. Milhares protestaram na quinta-feira contra o governo e o Fundo Monetário Internacional (FMI), que emprestou bilhões de dólares ao país latino-americano.

"Temos inflação de três dígitos. O aumento dos preços dos alimentos é bárbaro e estamos diante de um dezembro brutal", disse a manifestante Monica Sulle.

(Reportagem de Nicolas Misculin e TV Reuters)