Mercado fechará em 2 h 3 min
  • BOVESPA

    111.324,43
    +651,67 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,89
    +0,19 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,63
    +0,67 (+0,81%)
     
  • OURO

    1.786,20
    +15,70 (+0,89%)
     
  • BTC-USD

    66.450,05
    +3.546,54 (+5,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.546,54
    +65,73 (+4,44%)
     
  • S&P500

    4.538,07
    +18,44 (+0,41%)
     
  • DOW JONES

    35.654,81
    +197,50 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.385,25
    -13,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4599
    -0,0363 (-0,56%)
     

Argentina busca congelar preços de 900 itens antes de eleições

·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O governo argentino planeja estender um programa de controle de preços a aproximadamente 900 produtos em sua nova tentativa de recuperar terreno antes das eleições de meio de mandato no mês que vem.

Most Read from Bloomberg

Na quarta-feira, o novo secretário de Comércio Interior, Roberto Feletti, disse a líderes empresariais das principais companhias de alimentos em Buenos Aires que o governo quer que as empresas estendam um programa que limita os preços de certos produtos, segundo pessoas com conhecimento da reunião que pediram para não serem identificadas. A Argentina tem um programa de controle que atualmente inclui mais de 700 produtos em supermercados cujos preços podem aumentar marginalmente a cada trimestre.

O governo planeja que os preços sejam congelados para 900 itens retroativos a 1º de outubro, segundo uma fonte.

O controle de preços é uma política constante usada por governos peronistas como uma das várias ferramentas não ortodoxas para tentar frear a inflação, atualmente em cerca de 50% ao ano, o que corrói a renda dos consumidores. A coalizão do presidente da Argentina, Alberto Fernández, busca reconquistar o apoio dos eleitores depois que as eleições primárias realizadas em setembro indicaram que o governo pode perder assentos no Congresso nas eleições de meio de mandato em 14 de novembro.

Feletti falou com cerca de 100 líderes empresariais e associações na quarta-feira, incluindo executivos da Danone, Nestlé, Arcor e Molinos Rio de la Plata, de acordo com um representante do setor de alimentos que compareceu. Não ficou claro quais preços seriam congelados ou quantas empresas aceitariam a medida, segundo duas pessoas presentes.

O pedido chega um dia antes de a agência de estatísticas da Argentina publicar os dados de inflação de setembro.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos