Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.932,65
    +1.296,47 (+1,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.557,18
    +955,47 (+2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    48,21
    +1,19 (+2,53%)
     
  • OURO

    1.875,10
    +4,80 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    23.542,45
    +14,82 (+0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    440,45
    -1,29 (-0,29%)
     
  • S&P500

    3.706,82
    +19,56 (+0,53%)
     
  • DOW JONES

    30.253,41
    +237,90 (+0,79%)
     
  • FTSE

    6.495,75
    +42,59 (+0,66%)
     
  • HANG SENG

    26.343,10
    +223,85 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.524,79
    +88,40 (+0,33%)
     
  • NASDAQ

    12.714,00
    +4,00 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3289
    +0,0528 (+0,84%)
     

Argentina autoriza vacina da Pfizer/BioNTech ainda sem acordo de fornecimento

·2 minuto de leitura
Autoridades posam ao lado de avião da Aerolíneas Argentinas para buscar as 300.000 doses da vacina Sputnik V
Autoridades posam ao lado de avião da Aerolíneas Argentinas para buscar as 300.000 doses da vacina Sputnik V

O órgão regulador de alimentos e medicamentos da Argentina (ANMAT) autorizou o uso da vacina contra a covid-19 da Pfizer-BioNtech, a primeira a ser licenciada no país sul-americano, enquanto o governo negocia um acordo de prestação de serviços com aquela empresa.

"A Administração Nacional de Medicamentos e Alimentos informa que, por meio do Regulamento 9210/20, autorizou a inscrição no Registro de Especialidades Medicinais do produto 'Comirnaty/BNT162b2', uma vacina para SARS-COV-2 da empresa Pfizer", disse em um comunicado nesta quarta-feira.

Segundo a ANMAT, essa vacina "apresenta uma relação risco-benefício aceitável" que permite sua autorização, concedida pelo prazo de um ano sob a condição de venda sob prescrição, afirmou a parte.

A Argentina participou com voluntários da fase 3 do estudo da vacina da Pfizer, mas, nas últimas semanas, as negociações para o fornecimento de doses pararam, informou o governo.

"Temos conversas com muitos laboratórios. A primeira com que falamos foi a Pfizer, então temos certa frustração de que isso não saia", lamentou nesta quarta-feira o ministro da Saúde, Ginés González García, em declarações à rádio El Destape.

"Quando isso acabar, a verdade será conhecida", acrescentou.

O ministro disse que o laboratório estabeleceu novas condições "inaceitáveis" para o fornecimento de vacinas, sem entrar em detalhes, mas depois esclareceu que as negociações continuam e espera que "corram bem".

"O compromisso que existia era que, se a Argentina colocasse voluntários, teria prioridade para negociar, mas a negociação não é fácil, ainda é um produto comercial", afirmou o diretor do estudo de vacinas da Pfizer na Argentina, Gonzalo Pérez Marc.

No mês passado, o Congresso aprovou uma lei que concedeu ao Executivo poderes para firmar contratos e cobrir a indústria farmacêutica para garantir o cumprimento dos acordos e pagamentos.

A Argentina já tem um acordo com a Rússia para o fornecimento das vacinas Sputnik V, elaboradas pelo Centro de Epidemiologia e Microbiologia Nikolai Gamaleya - o que ainda não foi aprovado pela ANMAT.

Na terça-feira, um voo da Aerolíneas Argentinas partiu para Moscou em busca de 300 mil doses da Sputnik V que vão permitir o início da campanha de vacinação no país sul-americano.

O acordo global prevê o fornecimento de 25 milhões de doses.

A Argentina também assinou convênios de fornecimento de vacinas com a Universidade de Oxford associada à farmacêutica AstraZeneca e faz parte do mecanismo Covax da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Com 44 milhões de habitantes, a Argentina registra 42.234 mortes e mais de 1,5 milhão de casos de covid-19.

ls/yow/bn/tt