Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.385,29
    +1.128,62 (+2,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Argentina arrecada mais de US$ 2 bilhões em impostos sobre a riqueza

·2 minuto de leitura
A lei argentina, aprovada em dezembro passado, estabelece uma contribuição única que será tributada progressivamente sobre as pessoas cujo patrimônio supera 200 milhões de pesos (2,17 milhões de dólares)

A Argentina arrecadou mais de 2 bilhões de dólares com um extraordinário imposto sobre a riqueza, pago por 80% das pessoas atingidas por esse tributo destinado a fazer face aos gastos com a pandemia do coronavírus, informou o governo nesta segunda-feira (3).

A arrecadação com este imposto, promovida pelo governo do presidente de centro-esquerda Alberto Fernández, chegou a 223 bilhões de pesos (cerca de 2,252 bilhões de dólares no câmbio do dia), informou a entidade arrecadadora AFIP.

A chefe da AFIP, Mercedes Marcó del Pont, indicou que “os recursos gerados serão essenciais para enfrentar as emergências sanitárias e econômicas impostas pela pandemia”.

Cerca de 3.000 pessoas inadimplentes agora estão sujeitas ao controle da entidade. Desse grupo, apenas cerca de 200 recorreram à proteção judicial para não pagar o valor.

Entre os que se recusaram a pagar o imposto estão alguns dos mais conhecidos magnatas do país e o jogador do Boca Juniors, Carlos Tévez, que entraram com uma ação na Justiça.

A chamada "Contribuição Solidária" foi aprovada em dezembro pelo Congresso com uma alíquota de pelo menos 2% aos patrimônios de pessoas que excedam 200 milhões de pesos (cerca de dois milhões de dólares), a serem pagos uma única vez.

As porcentagens vão sendo escalonadas à medida que aumenta o patrimônio até estabelecer 3,5% para quem passa de 3 bilhões de pesos (30 milhões de dólares), pagos uma única vez.

O destino dos recursos divide-se entre despesas com saúde em função da pandemia, bolsas de estudo e subsídios para apoiar pequenos negócios em crise e seus trabalhadores, entre outros fins.

Com uma população de 45,4 milhões de habitantes, a Argentina ultrapassou as três milhões de infecções de covid-19, com mais de 64.000 mortes.

dm/nn/mr/ap/mvv